February 8, 2014 / 1:07 PM / 3 years ago

Custo de operação do sistema indica corte de carga de 5% no Sudeste e Sul

8 Min, DE LEITURA

Por Anna Flávia Rochas

SÃO PAULO, 8 Fev (Reuters) - O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) revisou para cima a expectativa de aumento de carga de energia no Brasil em fevereiro e o custo de operação do sistema elétrico superou o primeiro patamar de custo de déficit de carga nas regiões Sudeste/Centro Oeste e Sul, numa sinalização de redução de carga de energia de cerca de 5 por cento.

Os dados são do modelo computacional de previsões de preço de energia do ONS, mas uma decisão por redução de carga tem que ser tomada pelo governo federal, que já descartou essa possibilidade após apagão que atingiu diversas regiões do país nesta semana, afirmando que o sistema elétrico está equilibrado e há margem para operação.

O custo do déficit superado nesta semana deve refletir, na prática, o quanto custa para a sociedade a insuficiência da oferta de energia elétrica, segundo informações da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), quando definiu esses patamares de custo para 2014.

A expectativa de aumento de carga de energia no Brasil em fevereiro foi revisada para uma alta de 15 por cento. O aumento de carga esperada foi divulgado pelo ONS no final da sexta-feira e é mais do que o dobro da estimativa da semana passada, de que a carga subiria 7,1 por cento neste mês na comparação com fevereiro de 2013.

Já o custo marginal de operação médio para a região Sudeste-Centro Oeste e Sul, indicado pelo modelo computacional para esta semana, superou o primeiro patamar que indica o custo déficit de energia, de 1.364,42 reais por megawatt-hora (MWh), patamar de redução de até 5 por cento da carga nessas regiões. Para esta semana, esse custo de operação do sistema está em 1.691,39 reais por megawatt-hora para as regiões Sudeste/Centro Oeste e Sul.

"Na semana de 8 a 14 de fevereiro, a previsão é de que ocorra chuva fraca em pontos isolados das bacias dos rios Uruguai e Jacuí. Nas demais bacias hidrográficas de interesse do SIN (Sistema Interligado Nacional) predomina a estiagem", informou o ONS no Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação para esta semana.

O ONS acrescentou que o Sudeste/Centro-Oeste teve o segundo pior janeiro em regime de chuvas para geração de energia pelas hidrelétricas desde 1931 e que, pela previsão revista, no mês de fevereiro esta posição está mantida.

Além disso, o ONS prevê que o Nordeste apresente a menor média mensal de afluência de chuvas para os reservatórios de todos os meses de fevereiro do histórico.

"A revisão das previsões para o mês de fevereiro indicam queda significativa das afluências aos subsistemas Sudeste, Sul e Nordeste", informou o ONS.

As afluências previstas para o Sistema Interligado Nacional (SIN) reduziram cerca de 7.000 MW médios, assim como a energia armazenada esperada, que sofreu redução adicional de 4.500 MW médios, conforme informações da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

As previsões para o mês de fevereiro agravam as preocupações em relação ao abastecimento do país já que os reservatórios, principalmente no Sudeste, estão em níveis baixos críticos e continuam a cair.

Os reservatórios de hidrelétricas do Sudeste/Centro-Oeste, os principais para o abastecimento do país, estão em queda desde janeiro, época em que deveriam estar enchendo para sustentar o fornecimento de energia durante o período seco.

Esses reservatórios já tiveram uma queda de 4,66 pontos percentuais desde o fim de dezembro e estão hoje em 38,52 por cento de armazenamento.

Esse armazenamento ainda é maior que o fechado ao fim de janeiro do ano passado, de 37,46 por cento, mas o ONS prevê que esses reservatórios do Sudeste/Centro-Oeste terminem fevereiro em condições ainda piores, a 35,6 por cento. No final de fevereiro de 2013, os reservatórios dessa região estavam a 45,48 por cento.

Já no Sul, o nível dos reservatórios está em 51,5 por cento, e se a previsão do ONS para o fim de fevereiro se cumprir, estará em 36,8 por cento ao final do mês.

térmicas

O coordenador do grupo de estudos do setor elétrico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Nivalde de Castro, ponderou entretanto que a indicação feita pela ONS sobre o cenário de racionamento "é só um modelo matemático" e não significa que o país precisa decretar agora redução no consumo de energia elétrica.

Segundo ele, é preciso aguardar até o final do período chuvoso para saber se o país precisará mesmo de um racionamento. "O período úmido não acabou, temos que esperar e temos um parque térmico grande", poderou.

Ele ressaltou ainda que o modelo matemático é um indicador do ONS, que não tem o poder de decretar um racionamento.

Todas as térmicas do país disponíveis para a operação estão acionadas, conforme indica o custo marginal de operação, que já está superior ao custo de geração da térmica mais cara do país, indicando a necessidade de racionar carga no Sudeste/Centro-Oeste e Sul.

"Todavia, as regiões SE/CO, NE e N encontram-se em pleno período úmido, o que conduz à expectativa de reversão do atual cenário hidrológico. Assim sendo, a operação do SIN será realizada considerando o pleno atendimento aos requisitos de carga", disse o ONS no Sumário do PMO, documento disponível em seu site.

As previsões para fevereiro ocorrem após o sistema elétrico nacional como um todo e outras regiões separadamente virem batendo consecutivos picos de demanda de carga de energia.

Na terça-feira, curto-circuitos em linhas de transmissão que trazem energia do Norte para Sudeste do país ainda resultaram em apagão que atingiu diversos Estados e cerca de 6 milhões de consumidores.

preço De Energia

O baixo nível dos reservatórios e forte consumo também provocam o aumento do preço de energia de curto prazo (Preço de Liquidação de Diferenças - PLD), que se mantém no topo permitido para o ano, em 822,83 reais por MWh, para esta semana, nas regiões Sudeste/Centro-Oeste e Sul.

Especialistas do setor elétrico consideram que o PLD deve se manter no patamar máximo no Sudeste/Centro-Oeste ainda por algumas semanas, diante da ausência de chuva nas previsões.

"Fevereiro vai ser muito ruim, sem chuvas nas três primeiras semanas... Vemos PLD máximo nas três primeiras semanas de fevereiro e pode ser que na quarta semana a gente continue com PLD máximo também", disse Érico Evaristo, presidente da Bolt Comercializadora, ao explicar que mesmo com alguma chuva, pode ser que não haja recuperação suficiente dos reservatórios para a queda de preço.

"Mesmo chovendo nas próximas semanas, qualquer que seja a previsão, os reservatórios estão muito baixos. Precisamos que subam um pouco. Não vejo possibilidade de os preços mexerem muito", disse Walfrido Ávila, presidente da comercializadora Trade Energy.

Os altos custos de energia de curto prazo prejudicam principalmente as distribuidoras de energia, que estão descontratadas em cerca de 3,5 mil MW e têm que arcar com gastos relacionados à exposição no curto prazo em momento de forte geração térmica.

Aos atuais níveis de preço, a expectativa é de que essas empresas tenham um dispêndio de cerca de 1,5 bilhão de reais por mês, o que pode significar 18 bilhões de reais no ano, afetando o caixa das companhias já que o governo federal ainda não definiu o repasse de recursos do Tesouro para ajudar essas companhias via Conta de Desenvolvimento Energético (CDE)

Reportagem adicional de Leonardo Goy em Brasília

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below