Exportação de carne suína do Brasil recua 13% em janeiro, diz Abipecs

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014 12:43 BRST
 

SÃO PAULO, 10 Fev (Reuters) - As exportações de carne suína do Brasil recuaram 13 por cento em janeiro ante um ano atrás, para 34,9 mil toneladas, pressionadas pela forte queda nas vendas para a Ucrânia, informou o presidente da associação que reúne a indústria.

A receita com os embarques no mês foi de 90,27 milhões de dólares, 13,7 por cento menor, refletindo volume menor e um pequeno recuo de 0,73 por cento no preço médio da tonelada exportada.

As vendas para a Ucrânia despencaram 96 por cento em janeiro, somando 244 toneladas. O país reduziu as compras, uma vez que formou estoques com os grandes volumes adquiridos no segundo semestre do ano passado.

"Os ucranianos compraram muito em agosto, setembro e outubro, fizeram muito estoque, e desde novembro vem reduzindo as compras. Em janeiro, não foi quase nada", disse Rui Eduardo Saldanha Vargas, presidente da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs).

Tradicionalmente, o país compra uma média de 7 mil toneladas por mês, mas comprou volumes maiores no segundo semestre do ano passado.

Ele observou que a crise econômica vivida pelo país também vem comprometendo a demanda ucraniana.

"A Ucrânia passa por uma recessão, com a crise que eles estão vivendo, estão com um consumo menor... Fala-se em retorno das compras em março", disse Vargas.

A Rússia foi o principal destino da carne suína brasileira, com participação de 34,6 por cento no total embarcado pelo país, seguida por Hong Kong (26,5 por cento) e Angola (11,6 por cento).

Em receita, a Rússia vem em primeiro lugar, com 41 por cento, Hong Kong (24 por cento) e Angola, com 7 por cento. A Ucrânia não aparece entre os principais destinos.

As vendas para a Rússia cresceram 0,9 por cento, para 12 mil toneladas; para Hong Kong cresceram 9 por cento, para 9.232 toneladas; e para Angola avançaram 11 por cento, para 4.048 toneladas.

(Por Fabíola Gomes)