Importações de soja pela China sobem quase 25% em janeiro

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014 13:27 BRST
 

PEQUIM, 12 Fev (Reuters) - As importações de soja pela China, maior comprador mundial da commodity, subiram cerca de um quarto em janeiro na comparação com o mesmo período do ano anterior, devido às boas margens de esmagamento, segundo dados da alfândega divulgados nesta quarta-feira.

As compras chinesas somaram 5,91 milhões de toneladas, em grande parte dos Estados Unidos, após um recorde mensal de 7,4 milhões de toneladas em dezembro.

"Esperamos que as importações de fevereiro continuem a crescer na base anual, já que a China comprou uma grande quantidade de soja dos EUA devido a boas margens de esmagamento e forte demanda por ração", disse um analista do Centro Nacional de Informações de Grãos e Oleaginosas (CNGOIC, na sigla em inglês). Ele não quis ser identificado.

Alguns operadores disseram que as fortes compras dos EUA foram influenciadas por temores sobre a repetição de congestionamentos registrados no início de 2013 nos portos do Brasil.

Mas alguns participantes do mercado disseram que a China pode ter comprado mais soja dos EUA do que o necessário, e alguns compradores estão pensando em mudar para grãos da América do Sul mais baratos.

"Os preços de soja da América do Sul estão cerca de 20-30 dólares por tonelada mais baixos do que de soja dos EUA, e alguns podem cancelar os embarques dos EUA e mudar para origens do Brasil", disse uma fonte da indústria.

As importações chinesas de soja em fevereiro provavelmente vão bater mais de 5 milhões de toneladas, de acordo com as previsões CNGOIC, contra 2,89 milhões de toneladas no mesmo período do ano passado.

(Reportagem de Niu Shuping e David Stanway)

 
Caminhões descarregam grãos de soja em uma usina de processamento da Louis Dreyfus perto do porto de Rosário. As importações de soja pela China, maior comprador mundial da commodity, subiram cerca de um quarto em janeiro na comparação com o mesmo período do ano anterior, devido às boas margens de esmagamento, segundo dados da alfândega divulgados nesta quarta-feira. 08/09/2010 REUTERS/Nicolas Misculin