Clima seco deve postergar início da moagem no centro-sul, dizem especialistas

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014 17:29 BRST
 

SÃO PAULO, 12 Fev (Reuters) - A estiagem e altas temperaturas que afetam áreas produtoras de cana do centro-sul país deve postergar o início da moagem em 2014/15, com usinas adiando a colheita à espera de melhores condições da planta, segundo representantes do setor.

O cenário atual vem contribuindo para sustentar os preços do açúcar nos mercados internacionais, apesar de a indústria ainda não ter dimensionado o impacto da estiagem de janeiro na moagem da cana.

Usinas do Paraná, que tradicionalmente dão início à moagem do centro-sul, devem atrasar os trabalhos este ano.

O Estado, que está entre os cinco maiores produtores de cana do Brasil, normalmente começa a moagem entre o final de março e início de abril, o que não deve acontecer em 2014 por causa do clima mais seco.

"O período de maior crescimento vegetativo da cana é exatamente entre janeiro e fevereiro... Se chove pouco, a cana não cresce o suficiente, e dificilmente se consegue cortar a cana no período normal", disse o presidente da Associação de Produtores de Bioenergia do Paraná (Alcopar), Miguel Rubens Tranin.

O Estado responde por cerca de 7 por cento da safra do centro-sul, que colhe aproximadamente 90 por cento da produção de cana do Brasil, o maior exportador global de açúcar do mundo.

O executivo explicou ainda que o período de verão, com chuvas e boa luminosidade, concentra cerca de 50 a 60 por cento do potencial de crescimento da planta.

REVISÕES

A Alcopar estimava inicialmente uma moagem de 42 milhões de toneladas em 2014/15, estável ante o ciclo anterior, mas com a seca já prevê um volume menor, embora a associação ainda não consiga dimensionar o tamanho da perda.   Continuação...