Lucro do Banco do Brasil cai 24% no 4o trimestre

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014 08:51 BRST
 

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO, 13 Fev (Reuters) - O Banco do Brasil, maior banco do país por ativos sofreu uma queda de 23,7 por cento no lucro líquido do quarto trimestre, num desempenho mais fraco que seus rivais privados e pressionado por aumento de provisões para perdas com crédito apesar de queda na inadimplência.

A instituição teve lucro líquido de 3,025 bilhões de reais ante resultado positivo de 3,967 bilhões no mesmo período de 2012. Em bases recorrentes, o lucro do período, de 2,424 bilhões de reais, caiu 23,8 por cento na comparação anual.

A previsão média de oito analistas ouvidos pela Reuters apontava para lucro líquido recorrente de 2,61 bilhões de reais para o Banco do Brasil no período.

O banco elevou as provisões para perdas com crédito em 15,2 por cento sobre o quarto trimestre de 2012, para 4,188 bilhões de reais, e em 7 por cento no comparativo com julho a setembro do ano passado.

A carteira de crédito de crédito no país terminou o ano passado em 636,124 bilhões de reais dentro das expectativas de crescimento de 17 a 21 por cento. O crescimento anual foi de 19,9 por cento. O BB espera que em 2014 sua carteira de empréstimos no país tenha expansão de 14 a 18 por cento.

Na pessoa física, o destaque ficou por conta de saltos anuais de 78 por cento no financiamento imobiliário e de 24,7 por cento em cartão de crédito. No sentido oposto, o crédito para veículos encolheu 1,1 por cento. Entre empresas, a carteira cresceu um total de 17,9 por cento e no agronegócio houve alta de 34,7 por cento.

O índice de inadimplência de operações vencidas há mais de 90 dias terminou o trimestre de dezembro em 1,98 por cento, queda ante 2,05 por cento nos três últimos meses de 2012, e praticamente estável em relação ao resultado do terceiro trimestre, 1,97 por cento.

Consequência de um trabalho de migração para linhas de financiamentos mais seguras, porém com menores margens, Itaú Unibanco, Santander e Bradesco tiveram no trimestre forte queda na inadimplência e nas despesas com provisões para calotes.   Continuação...