Regulador propõe reajuste de 4,66% em tarifa da Sabesp e ações recuam

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014 17:28 BRST
 

Por Roberta Vilas Boas

SÃO PAULO, 13 Fev (Reuters) - A agência reguladora paulista de saneamento e energia divulgou nesta quinta-feira proposta de reajuste das tarifas da Sabesp de 4,6607 por cento, abaixo do pleiteado pela empresa e que desagradou investidores.

A proposta, que consta em nota técnica da Arsesp, ainda deve passar com consulta pública, e a decisão final só será divulgada em 11 de abril. Porém, ficou bem abaixo do percentual defendido pela empresa, de um aumento de 13,11 por cento.

As ações da Sabesp tiveram queda de 4,47 por cento nesta quinta-feira, a segunda maior baixa entre os papéis que integram a carteira teórica do Ibovespa, que caíu 0,84 por cento.

"Entendemos como negativo as definições propostas pela Arsesp", afirmaram analistas da XP Investimentos, em nota.

"A proposta de reajuste tarifário é inferior ao número pleiteado pela Sabesp e ficou perto do piso das expectativas de analistas, que variavam entre 4 e 10 por cento", completaram.

Analistas do Citi destacaram em relatório que a decisão da Arsesp não descartou um risco importante para a companhia, relativo aos royalties de São Paulo.

"O regulador propôs um regime tarifário que supostamente permitiria à Sabesp adicionar uma sobretaxa somente para usuários que moram na cidade de São Paulo, permitindo uma recuperação nas taxas da concessão. Porém, o regulador concordou em suspender o repasse a pedido do governo de São Paulo. O regulador não submeteu a suspensão e ainda não forneceu uma solução nas notas técnicas."

Se aprovado, o índice de reajuste --resultado de fatores que incluem preço máximo inicial (P0) de 2,52411 reais por metro cúbico e fator de eficiência (Fator X) de 0,9418 por cento-- deve ser aplicado às tarifas com faturamento a partir de 11 de maio.   Continuação...