BB promete prudência depois que analistas reduzem recomendação para ação

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014 14:10 BRST
 

SÃO PAULO, 14 Fev (Reuters) - O Banco do Brasil minimizou as preocupações com as tendências de rentabilidade neste ano, comprometendo-se a precificar melhor os empréstimos, depois que um lucro abaixo das estimativas levou os analistas a colocarem suas recomendações para ações do banco em revisão.

Executivos liderados pelo diretor financeiro Ivan Monteiro disseram aos investidores na sexta-feira que o banco vai manter índices de inadimplência estáveis, ajustar os preços dos empréstimos de acordo com o ambiente de taxas de juros mais altas no país e manter uma política de longo prazo de rigorosa avaliação de risco dos mutuários.

Estimativas para crescimento da carteira de crédito e retorno sobre o patrimônio poderão ser elevadas se as perspectivas para o risco e demanda por crédito melhorarem, disse Monteiro.

O Banco do Brasil divulgou na quinta-feira uma meta de expansão para a carteira de crédito entre 14 e 18 por cento este ano, e retornos entre 12 e 15 por cento -- que analistas consideraram muito baixas.

"Estamos assumindo uma visão conservadora", disse Leo Loyola, diretor de Relações com Investidores no Banco do Brasil, em teleconferência. "Apesar de as taxas mais elevadas afetarem os custos de captação imediatamente, nossa receita somente de beneficia dessa situação após um intervalo de tempo".

Ações do Banco do Brasil caíram fortemente na quinta-feira diante de lucros fracos e preocupações sobre o futuro desempenho operacional. O lucro líquido recorrente, ou o lucro excluindo itens extraordinários, foi de 2,424 bilhões de reais, bem abaixo dos 2,606 bilhões de reais esperados por analistas consultados pela Reuters.

As ações caíam 0,58 por cento na sexta-feira nesta sexta-feira, às 14h04, enquanto o Ibovespa tinha alta de 0,74 por cento.

Nesta sexta-feira, os analistas do Credit Suisse Securities liderados por Marcelo Telles reduziram seu preço-alvo e recomendação para o Banco do Brasil. "Com a baixa rentabilidade e grandes necessidades de capital nos próximos anos...o Banco do Brasil não tem nenhuma outra opção a promover a disciplina de capital, reduzir o ritmo de crescimento e trabalhar para aumentar sua rentabilidade", disse Telles.

Analistas do Bradesco BBI liderados por Carlos Firetti cortaram sua recomendação para as ações do Banco do Brasil para "market perform" (em linha com o desempenho do mercado), ante "outperform" (acima do desempenho) anteriormente, e colocaram o preço-alvo em revisão.   Continuação...