ONS vê chuvas para próxima semana, mas preço de energia segue alto

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014 19:16 BRST
 

Por Anna Flávia Rochas

SÃO PAULO, 14 Fev (Reuters) - Chuvas são esperadas para diversas regiões do país na próxima semana, mas não o suficiente para reduzir o custo de operação do sistema elétrico ou alterar a expectativa de que Sudeste e Centro-Oeste registrem um dos piores fevereiros em regime de chuvas.

"Em comparação com as afluências da semana anterior, prevê-se para a semana operativa de 15 a 21 de fevereiro aumento das afluências em todos os subsistemas do Sistema Interligado Nacional (SIN), à exceção do subsistema Nordeste", informou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) nesta sexta-feira.

Segundo o ONS, uma frente fria no Estado de São Paulo no início da semana que vem deve ocasionar chuva fraca na bacia do rio Tietê e pancadas de chuva nas bacias dos rios Grande, Paraíba do Sul e Paranaíba. No fim da próxima semana, uma nova frente fria deverá avançar pelo Rio Grande do Sul, ocasionando chuva fraca nas bacias dos rios Uruguai e Jacuí.

A bacia do rio Tocantins permanece apresentando chuva fraca à moderada durante toda semana.

Apesar disso, este mês ainda deverá ser o segundo pior fevereiro do histórico de 84 anos em volume de chuvas para geração de energia pelas hidrelétricas na região Sudeste/Centro-Oeste. No Nordeste, deverá ser observado o pior mês de fevereiro desde 1931, informou o ONS no Sumário do Programa Mensal de Operação para a semana que vem.

O custo marginal de operação do sistema elétrico para o Sudeste/Centro-Oeste e Sul voltou a subir, para 1.777,54 reais por megawatt-hora, mantendo-se acima do custo de déficit que prevê um corte de carga de até 5 por cento para essas regiões, segundo indicação dos modelos matemáticos utilizados.

Um corte de carga, no entanto, não foi estabelecido, já que o ONS aguarda reversão do cenário de seca pelo fato de o país estar em pleno período úmido.

A indicação de geração térmica subiu para 16.026 MW médios na semana que vem, frente aos 15.550 MW médios nesta semana.   Continuação...