Conselho dos Trabalhadores da Volkswagen diz que vai buscar representação em fábrica nos EUA

domingo, 16 de fevereiro de 2014 17:56 BRT
 

HAMBURGO/BERLIM, 16 Fev (Reuters) - O conselho dos trabalhadores da Volkswagen disse que irá seguir com esforços para criar uma representação na sua fábrica norte-americana em Chattanooga, Tennessee, apesar do voto de seus funcionários contra qualquer passo nesse sentido envolvendo o sindicato United Auto Workers (UAW).

Os funcionários da unidade, que fica em uma região tradicionalmente hostil ao trabalho organizado, optaram na sexta-feira por rejeitar a representação pelo sindicato, cujo número de membros caiu 75 por cento desde 1979 e agora está em pouco menos de 400 mil.

"O resultado da votação, no entanto, não muda a nossa meta de criar um conselho de trabalhadores em Chattanooga", disse Gunnar Kilian, secretário-geral do conselho de trabalhadores da VW, em um comunicado neste domingo, acrescentando que os trabalhadores continuaram a apoiar a idéia de representação na fábrica.

A ascensão da VW para se tornar uma das três maiores montadoras globais está interligada com a influência de sua força de trabalho, cujos representantes compõem metade do conselho de supervisão de 20 membros do grupo.

Sob a política de "co-gestão" do grupo, os trabalhadores têm voz sobre as questões que afetam as regras e o ambiente de trabalho, enquanto a estrutura consensual permite que a administração busque apoio dos trabalhadores nas decisões sobre novos produtos e fábricas.

Kilian disse que iria viajar para os Estados Unidos para encontrar especialistas em direito do trabalho e começar a se consultar com eles nas próximas duas semanas para "definir os passos adicionais", acrescentando que seria acompanhado por Frank Patta, secretário-geral da Volkswagen no conselho global de trabalhadores.

(Por Jan Schwartz e Andreas Cremer)