BR Properties vê 2014 como ano "duro" com alta de oferta em SP

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014 13:18 BRT
 

Por Marcela Ayres

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente da empresa de imóveis comerciais BR Properties, Claudio Bruni, acredita que 2014 será um ano difícil em função do aumento da oferta de empreendimentos e lentidão da economia, mas avalia que haverá absorção de estoque até meados de 2015, quando a situação começará a ser normalizada.

Em teleconferência com analistas nesta terça-feira, Bruni previu a construção de menos imóveis comerciais na cidade de São Paulo, principal mercado para a empresa, depois das mudanças introduzidas pelo novo código de zoneamento, cujo projeto de lei está na Câmara Municipal.

"Vemos mercado bastante positivo a partir de 2015, 2016 ... com oferta menor e incremento significativo dos valores de locação", disse o executivo.

Ele reconheceu que as companhias estão demorando mais tempo para alugar espaços buscando "ter uma visão mais clara do que acontece na economia como um todo". No entanto, a expectativa da BR Properties é de diminuir suas taxas de vacância já no primeiro trimestre deste ano.

Na véspera, a companhia divulgou prejuízo líquido de 149,1 milhões de reais entre outubro e dezembro, ante lucro de 172 milhões um ano antes, afetada por ajuste contábil pela venda de galpões à WTGoodman, além de maiores despesas financeiras.

Apesar de ter reduzido a vacância financeira, que mede o percentual de receita mensal perdida devido à vacância de imóveis, para 8,6 por cento, contra 10,5 no trimestre anterior, o percentual ainda ficou longe do patamar de 4 por cento registrado em igual período de 2012.

Segundo o diretor financeiro e de Relações com Investidores da BR Properties, Pedro Daltro, janeiro e fevereiro serão meses bons em termos de locação para as Torres JK, empreendimento-chave para a companhia e que apresentava vacância física de 81 por cento no fim de 2013.

Durante o primeiro trimestre, a expectativa também é de redução na vacância no edifício Manchete, no Rio de Janeiro, disse Daltro. A taxa de vacância do empreendimento de alto padrão era de 32 por cento em dezembro.   Continuação...