19 de Fevereiro de 2014 / às 20:19 / 4 anos atrás

Dólar cai 0,30% ante real com fluxo de entrada e Fed

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO, 19 Fev (Reuters) - O dólar fechou em queda ante o real nesta quarta-feira, em reação a fluxo de entrada de recursos e após o Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, reiterar a perspectiva de que continuará reduzindo gradualmente seu programa de compra de títulos.

A moeda norte-americana recuou 0,30 por cento, a 2,3904 reais na venda, após bater 2,4130 reais na máxima e 2,3895 reais na mínima do dia. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 1,2 bilhão de dólares.

"O que houve hoje foi apenas fluxo. A ata (do Fomc) só confirmou que o Fed manteve o que já estava planejado", afirmou o superintendente de câmbio da corretora Intercam, Jaime Ferreira, referindo-se à ata da última reunião do Fed, quando anunciou o segundo corte de 10 bilhões de dólares no programa de compra mensal de títulos.

Segundo o documento, divulgado na última hora do pregão, vários integrantes do Fed queriam transmitir a ideia de que continuarão reduzindo o estímulo econômico de forma previsível, em passos de 10 bilhões de dólares, a menos que a atividade desvie-se significativamente das expectativas.

Dados recentes haviam levantado dúvidas sobre o fôlego da economia norte-americana, impactados pelo clima frio no país, e alimentaram expectativas de que o Fed poderia diminuir o ritmo da redução do estímulo.

"Com a ata, o Fed deixou claro que julga que as questões climáticas tiveram influência determinante nesses números e, portanto, a recuperação econômica continua por lá", disse o estrategista-chefe do banco Mizuho, Luciano Rostagno.

Em seu primeiro pronunciamento como chair do Fed, na semana passada, Janet Yellen já havia deixado claro que não fará mudanças abruptas na política monetária dos EUA. Ela reforçou que a redução do estímulo monetário deve continuar, embora a recuperação do mercado de trabalho esteja longe de ser completa.

O processo de retirada do programa de compra de títulos reduz a liquidez global e pressiona o dólar.

O dólar abriu essa sessão em alta frente ao real, em linha com outras moedas emergentes, que vêm sofrendo intensa pressão nas últimas semanas em meio à onda global de mau humor com ativos de países em desenvolvimento. No fim da manhã, inverteu a trajetória e passou a cair, pressionado por entradas de divisas e sustentou esse movimento até o fim da sessão.

Lá fora, no entanto, o dólar continuou em alta em relação às principais emergentes, como o peso mexicano, o peso chileno e a lira turca.

Pela manhã, o Banco Central deu continuidade às atuações diárias, vendendo a oferta total de até 4 mil swaps tradicionais --equivalentes a venda futura de dólares-- com volume equivalente a 197,7 milhões de dólares. Foram mil contratos para 1º de agosto e 3 mil para 1º de dezembro deste ano.

Após o fechamento dos mercados, o BC anunciou mais um leilão diário nas mesmas condições para quinta-feira.

Além disso, também vendeu o lote integral de 10,5 mil swaps em mais um leilão para rolar os vencimentos de 5 de março. Com isso, o BC já rolou cerca de 70 por cento do lote para o próximo mês, que equivale a 7,378 bilhões de dólares.

Na quinta-feira o BC realizará mais um leilão para essa rolagem, com a oferta de até 10,5 mil contratos com os mesmos vencimentos.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below