UE apoia meta de crescimento no G20 se vier acompanhada por reformas

sábado, 22 de fevereiro de 2014 10:19 BRT
 

Por Jan Strupczewski

SYDNEY, 22 Fev (Reuters) - A Europa é favorável a estabelecer uma meta de crescimento para os países do G20, o grupo das principais economias desenvolvidas e em desenvolvimento do mundo, mas apenas se as nações se comprometerem com grandes reformas, afirmou o comissário de Assuntos Econômicos e Monetários da União Europeia, Olli Rehn.

Os ministros das Finanças e os chefes dos Bancos Centrais das nações do G20 se reúnem na Austrália neste fim de semana para tentar encontrar maneiras de alavancar o crescimento econômico mundial por meio do investimento, competitividade, comércio e emprego.

O Tesoureiro da Austrália, Joe Hockey, afirmou que o projeto de estabelecer uma meta numérica de crescimento está ganhando força, mas Rehn disse que isso só faz sentido se as reformas ganharem a mesma adesão.

"Eu vejo que crescimento econômico é consequência de políticas corretas e coordenação global. Então, sim, precisamos de uma ambiciosa meta de crescimento, mas apenas sob a condição de acertarmos também reformas econômicas ambiciosas e políticas econômicas vigorosas", afirmou Rehn.

"Isso é o G20", afirmou Rehn à Reuters durante uma entrevista nos bastidores do encontro.

Ele afirmou que as discussões de metas de crescimento eram baseadas em um estudo do FMI que visava impulsionar o do PIB em 0,5 por cento anualmente.

Mas para que haja crescimento global rapidamente, Rehn disse que os países do G20 que possuem superávit em conta corrente precisam incentivar a demanda interna e o investimento, enquanto aqueles que estão em déficit precisam tornar as suas finanças públicas sustentáveis, criar empregos e ser mais competitivos.

"Quando você acertar essas coisas, faz sentido ter uma meta ambiciosa de crescimento para a economia mundial", afirmou.   Continuação...