G20 almeja crescimento mais rápido da economia, mostra relatório

domingo, 23 de fevereiro de 2014 09:00 BRT
 

Por Louise Egan e Jan Strupczewski

SYDNEY, 23 Fev (Reuters) - As maiores economias do mundo adotaram uma meta de gerar mais de 2 trilhões de dólares em produção adicional ao longo de cinco anos, enquanto criam dezenas de milhões de novos empregos, sinalizando otimismo de que o pior da crise ficou para trás.

O comunicado final do encontro de dois dias dos ministros financeiros e representantes de bancos centrais em Sydney disse que eles irão concretizar ações para elevar os investimentos e empregos, entre outras reformas. O grupo responde por cerca de 85 por cento da economia global.

"Vamos desenvolver políticas ambiciosas mas realistas com o objetivo de elevar nosso PIB coletivo em mais de 2 por cento acima da trajetória dada pelas atuais políticas nos últimos cinco anos", disse o comunicado do G20.

Embora tenham mudado o foco para reformas que iriam elevar e sustentar o crescimento global nos próximos anos, o grupo reconheceu que políticas monetárias precisam "permanecer acomodativas em muitas economias avançadas e devem normalizar em momento oportuno."

O plano de crescimento se apoia em um documento do FMI preparado para o encontro em Sydney, que estima que reformas estruturais iriam elevar a produção econômica mundial em cerca de 0,5 por cento anualmente nos próximos 5 anos, elevando a produção global para 2,25 trilhões de dólares.

O FMI prevê crescimento global de 3,75 por cento neste ano, e 4 por cento em 2015.

Ainda não havia um roteiro sobre como as nações pretendem chegar lá ou as repercussões caso isso nunca ocorra. O objetivo era adotar uma meta nesta reunião, para que então cada país desenvolva um plano de ação e uma estratégia de crescimento para ser apresentada em uma cúpula de líderes do G20 em novembro.

Concordar com uma meta é um passo adiante para o grupo que falhou no passado em obter acordos fiscais e objetivos.   Continuação...