Rumo Logística propõe incorporar ALL e encerrar disputa judicial

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014 16:42 BRT
 

Por Roberta Vilas Boas

SÃO PAULO, 24 Fev (Reuters) - A Rumo, braço de logística da Cosan, propôs nesta segunda-feira incorporar a ALL para criar uma gigante do setor de transportes no Brasil avaliada em 11 bilhões de reais e encerrar disputa judicial que seria prejudicial para as duas empresas de logística.

O negócio, que ainda precisa ser aprovado pelo Conselho de Administração e pelos acionistas da ALL, se confirmado, unirá em uma única empresa os 13 mil quilômetros de ferrovias da ALL e os oito terminais de transbordo e um portuário em Santos (SP) da Rumo.

"Se a proposta for aceita, será uma companhia de bastante liquidez, de grande tamanho no mercado. E vai ser uma empresa que pode levantar recursos no mercado, se necessário", disse o presidente da Cosan, Marcos Lutz, em teleconferência com analistas.

A oferta da Rumo pela ALL põe fim a rumores que surgiram no início do ano, com as primeiras notícias sobre uma união entre as companhias que motivaram forte alta das ações da ALL. Ambas as empresas tinham confirmado que estavam em conversações.

O mercado aguardava a proposta de associação, avaliando que uma união aumentaria a eficiência de ambas e poria fim aos riscos ligados à disputa judicial sobre o cumprimento do contrato firmado em 2009.

O contrato de ALL e Rumo estabelecia que a primeira transportaria açúcar a granel e outros derivados para a Cosan e, em contrapartida, receberia investimentos em sua malha ferroviária. Já a ALL teria que garantir o transporte de um volume mínimo por mês a partir do quarto ano do contrato, além de oferecer tarifas competitivas em relação ao modal rodoviário.

Executivos da Cosan ressaltaram que, caso a operação seja concretizada, o contrato firmado entre ALL e Rumo anos atrás será extinto.

Pela proposta, a Rumo deve incorporar a totalidade das ações de emissão da ALL, ficando com 36,5 por cento da companhia resultante da união, enquanto os demais 63,5 por cento do capital caberiam aos sócios da ALL, segundo fato relevante da Cosan divulgado nesta segunda-feira.   Continuação...