Ambev eleva lucro líquido em 27% no 4º tri

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014 08:17 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Ambev viu o lucro líquido subir 27,2 por cento no quarto trimestre ante igual período de 2012, a 4,75 bilhões de reais, num resultado superior ao previsto por analistas e impulsionado por melhor desempenho operacional e alíquota efetiva de impostos mais baixa.

Entre outubro e dezembro, a geração de caixa medida pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) subiu 17,4 por cento na comparação anual, a 6,45 bilhões de reais.

Analistas estimavam um lucro líquido trimestral de 4,36 bilhões e Ebitda de 6,08 bilhões de reais, segundo apurado em pesquisa da Reuters com seis corretoras.

Apesar de uma queda de 2 por cento no volume de cerveja vendido no trimestre e de um resultado praticamente estável em refrigerantes, a maior companhia de bebidas da América Latina elevou a receita líquida em 9,1 por cento no último trimestre, a 11,05 bilhões de reais, auxiliada por preços maiores.

A receita líquida por hectolitro subiu 10,6 por cento no período, avanço atribuído pela Ambev às iniciativas de gestão de receita em operações, ao maior peso da distribuição direta e à alta na participação de mercado das marcas premium no Brasil.

Apesar de ter diminuído as despesas de vendas e marketing nos últimos três meses de 2013 em função da antecipação dos investimentos comerciais no ano, a Ambev viu as despesas administrativas subirem em função da provisão relativa à remuneração variável.

No total, as despesas com vendas, gerais e administrativas cresceram 8,4 por cento no trimestre, a 2,59 bilhões de reais.

Para 2014, a companhia enxerga um melhor cenário, particularmente no Brasil, com retomada do crescimento da indústria de cerveja no país, beneficiada pelas vendas durante a Copa do Mundo no segundo trimestre.

A empresa prevê que a receita líquida vá subir de um dígito alto a dois dígitos baixos no ano. Para o custo por produto vendido por hectolitro, a expectativa é de um crescimento de um dígito médio, com a desvalorização do real sendo parcialmente compensada por efeitos positivos de hedges de commmodities da companhia.   Continuação...