Bovespa fecha sessão no vermelho e engata 4o mês de queda em fevereiro

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014 18:02 BRT
 

Por Priscila Jordão

SÃO PAULO, 28 Fev (Reuters) - A Bovespa fechou em queda nesta sexta-feira, encerrando fevereiro com sua quarta baixa consecutiva, depois de operar sem tendência firme ao longo do mês, mas especialistas preveem que uma possível melhora nos dados dos Estados Unidos pode definir o rumo do mercado em março.

O Ibovespa perdeu 1,08 por cento na sessão, a 47.094 pontos, encerrando a semana com baixa de 0,6 por cento. No mês, o índice recuou 1,14 por cento. O giro financeiro do pregão totalizou 7,6 bilhões de reais.

Depois de perder 7,5 por cento em janeiro, em reação ao início da redução do programa de estímulos dos Estados Unidos e baixas expectativas de crescimento da economia doméstica, o Ibovespa ficou sem tendência definida em fevereiro.

O índice chegou a flertar com o nível de suporte técnico dos 46.100 pontos no mês, mas conseguiu resistir com investidores ponderando que os preços já estavam bastante baixos e até atrativos para alguns papéis. Contudo, não houve catalisadores que voltassem a impulsionar a bolsa como um todo para cima.

"Março deve ser muito semelhante a fevereiro, no sentido de que já não há uma pressão tão forte de desconto (venda), pois o mercado já veio descontado, mas não há uma visão de efetiva melhora de contas públicas e recuo de inflação (no Brasil)", disse o diretor técnico da Apogeo Investimentos, Paulo Bittencourt.

Nesta sexta, o governou divulgou uma queda no superávit primário de janeiro, jogando água fria no otimismo alimentado pela divulgação da nova meta fiscal para 2014 na semana passada e derrubando o Ibovespa.

Também nesta semana, a economia brasileira surpreendeu no quarto trimestre com crescimento acima do previsto, mas o resultado ainda não foi suficiente para uma mudança significativa das expectativas de um 2014 mais fraco.

Enquanto permanece cético com relação ao cenário doméstico, o mercado deve manter o radar voltado para novos indicadores dos Estados Unidos, uma vez que o inverno rigoroso atrapalhou a leitura dos dados divulgados em fevereiro. Muitos economistas acreditam que os indicadores provavelmente vieram mais fracos do que ocorreria em condições normais.   Continuação...