CSN prevê forte alta em investimento em mineração em 2014

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014 18:16 BRT
 

SÃO PAULO, 28 Fev (Reuters) - A Companhia Siderúrgica Nacional espera ter forte recuperação de margens de lucro em 2014, apoiada em expansão da produção de minério de ferro, que receberá investimentos de 1,5 bilhão de reais neste ano, mais que o dobro do feito em 2013.

A empresa prevê vendas de 44 milhões de toneladas de minério de ferro em 2014, após 25,7 milhões em 2013, e espera que o avanço seja apoiado pelas obras em seu porto em Itaguaí (RJ), que atingiu capacidade de 45 milhões de toneladas anuais.

Segundo o diretor de mineração da empresa, Daniel dos Santos, do volume previsto, 37 milhões de toneladas serão exportadas. O restante será consumido pela usina siderúrgica do grupo em Volta Redonda (RJ). Em 2013, o terminal de exportação da empresa despachou 29 milhões de toneladas, incluindo minério de terceiros, que compram espaço no porto da companhia.

A CSN divulgou mais cedo que encerrou o quarto trimestre com prejuízo líquido de 487 milhões de reais, ante expectativa de analistas de resultado positivo de 362 milhões de toneladas. As ações da CSN fecharam em queda de 6,9 por cento, enquanto o Ibovespa caiu 1,08 por cento.

O diretor de relações com investidores da CSN, David Salama, afirmou que a companhia espera uma "recuperação importante da margem de lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) neste ano, voltando aos nossos padrões históricos", disse o executivo. A margem de 2013 foi de 28 por cento, um ponto acima do registrado em 2012.

Perguntando sobre a proximidade de um acordo entre a CSN e os sócios asiáticos da mineradora Namisa, Salama voltou a repetir que a companhia segue apostando em um acordo sobre a integração dos negócios de mineração do grupo.

"Acreditamos que a unificação dos ativos de mineração é um grande negócio, com grandes ganhos de sinergia para todos. A opção principal é consenso entre as partes (...) e estamos buscando realizar isso neste começo de ano", disse o executivo. "Porém, independente de um acordo, uma coisa bastante clara é que vamos unificar esses ativos, porque isso vai gerar grande valor a nossos acionistas", acrescentou Salama.

A CSN tenta há anos convencer seus sócios na Namisa -- que incluem Itochu, JFE, Posco, Kobe Steel-- a unificar a mineradora com a mina Casa de Pedra.

O resultado negativo do quarto trimestre refletiu em parte a adesão ao programa de refinanciamento de dívidas aberto pelo governo federal (Refis). Segundo Salama, a CSN desembolsou em dezembro 103 milhões de reais e o saldo da dívida foi parcelado em 179 vezes com correção pela taxa básica de juros Selic.   Continuação...