5 de Março de 2014 / às 13:33 / em 4 anos

China vai "declarar guerra" contra poluição, diz premiê

Fumaça sobe de chaminés em uma siderúrgica em um dia nublado na província de Hebei. A China vai "declarar guerra" contra a poluição, afirmou o premiê do país, Li Keqiang, na abertura da reunião anual do parlamento em que o governo revelou medidas detalhadas para lidar com a questão que se tornou um problema social e que pode representar ameaça à estabilidade do país. 18/02/2014 REUTERS/Petar Kujundzic

PEQUIM, 5 Mar (Reuters) - A China vai “declarar guerra” contra a poluição, afirmou o premiê do país, Li Keqiang, na abertura da reunião anual do parlamento em que o governo revelou medidas detalhadas para lidar com a questão que se tornou um problema social e que pode representar ameaça à estabilidade do país.

“Vamos declarar guerra contra a poluição, assim como declaramos guerra contra a pobreza”, disse Li aos mais de 3.000 delegados em um discurso transmitido ao vivo pela TV estatal.

A redução da poluição tem sido uma parte importante dos esforços do governo para atualizar a economia do país, mudando o foco de indústrias pesadas e lidando com o problema de excesso de capacidade.

Li afirmou que o governo terá como foco inicial a redução de emissões de material particulado no ar e também a eliminação de produtores ultrapassados de energia e plantas industriais, maiores fontes de poluição atmosférica.

A China vai cortar capacidade siderúrgica defasada em um total de 27 milhões de toneladas neste ano, reduzir a produção de cimento em 42 milhões de toneladas e também fechar 50 mil pequenas fornalhas a carvão pelo país, disse Li.

As 27 milhões de toneladas de aço, equivalentes à capacidade de produção da Itália, representam menos de 2,5 por cento do total da China e representantes do setor alertam que usinas com capacidade para mais 30 milhões de toneladas anuais começaram a ser construídas no ano passado.

A meta para o cimento representa menos de 2 por cento da produção total do país em 2013.

A batalha contra a poluição também será promovida via reformas no preço da energia para incentivar fontes não fósseis. Li prometeu mudar a “forma como a energia é consumida e produzida” por meio do desenvolvimento de instalações de energia nuclear e renováveis, adoção de redes de transmissão inteligentes e com a promoção de tecnologias verdes e de baixa emissão de carbono.

Por Michael Martina, Li Hui, David Stanway e Stian Reklev

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below