Preço impulsiona plantio de trigo no Paraná em 2014; safra pode ser recorde

quinta-feira, 6 de março de 2014 19:19 BRT
 

SÃO PAULO, 6 Mar (Reuters) - O plantio de trigo no Paraná neste ano deverá crescer cerca de 20 por cento ante 2013, com impulso de preços melhores do cereal frente ao milho, o que poderá resultar em uma colheita recorde se o clima colaborar, previu nesta quinta-feira Departamento de Economia Rural (Deral), do governo do Estado.

Em sua primeira estimativa de plantio de trigo para 2014, o Deral apontou uma área de 1,2 milhão de hectares, contra 992 mil hectares na temporada passada. Os trabalhos de semeadura devem começar ao final de março.

Se confirmada a área e numa condição climática normal, a safra poderá atingir um recorde de 3,5 milhões de toneladas, o que daria ao Estado a condição de maior produtor nacional, título perdido no ano passado para o Rio Grande do Sul, quando a safra paranaense somou 1,8 milhão de toneladas, devastada pelas geadas.

Paraná e Rio Grande do Sul respondem tradicionalmente por mais de 90 por cento da produção nacional de trigo. Uma boa produção nesses Estados é importante para o Brasil reduzir a sua dependência de importações.

"O crescimento (no plantio) ocorre principalmente pelo fato de o pessoal ter arriscado menos no milho", disse o especialista em trigo do Deral Carlos Hugo Godinho, em entrevista.

O plantio de milho segunda safra no Paraná, por outro lado, deve cair mais de 10 por cento este ano, para 1,9 milhão de hectares --a chamada safrinha concorre com o trigo em área cultivável.

"O crescimento do trigo é mais em função de um decréscimo do preço do milho, do que de um acréscimo do preço do trigo", comentou.

Atualmente, o trigo vale quase duas vezes o milho no Estado. O primeiro cereal é cotado atualmente a 42,05 reais por saca, contra 22,80 reais do segundo.

No ano passado, nesta época, a relação estava mais favorável ao milho (25 reais por saca), considerando que a produtividade desse grão é superior a do trigo, que valia 39,84 reais, segundo o Deral.   Continuação...