Ibovespa fecha abaixo dos 46 mil pts com temor sobre China e queda da Petrobras

segunda-feira, 10 de março de 2014 17:46 BRT
 

SÃO PAULO, 10 Mar (Reuters) - O principal índice da Bovespa fechou abaixo dos 46 mil pontos nesta segunda-feira pela primeira vez desde julho de 2013, diante de dados que reacenderam temores sobre o crescimento da China, cujas exportações caíram inesperadamente em fevereiro, e se somaram a incertezas ligadas à crise na Ucrânia.

O Ibovespa fechou em baixa de 1,54 por cento, a 45.533 pontos. O giro financeiro do pregão foi de 6,4 bilhões de reais.

Neste fim de semana, dados da Administração Geral de Alfândegas mostraram que as exportações da China caíram 18,1 por cento em fevereiro ante o ano anterior, após alta de 10,6 por cento em janeiro, levando a balança comercial para um déficit e ampliando os temores de uma desaceleração.

Os dados abalaram investidores já nervosos com a crise na Ucrânia e derrubaram a bolsa de Xangai e preços de commodities. Por aqui, as ações preferenciais da mineradora Vale perderam 2,66 por cento e as siderúrgicas Usiminas e CSN recuaram mais de 3 por cento.

As ações da Petrobras colaboraram para que a bolsa acentuasse perdas, depois da companhia lançar nesta segunda uma oferta de 8,5 bilhões de dólares em bônus no exterior, com a demanda pelos papéis superando os 22 bilhões de dólares.

"A empresa não está com ares bacanas no mercado. A captação é boa, mas a dívida está aumentando mais ainda", disse o gerente de renda variável da H. Commcor, Ariovaldo Santos.

Por sua vez, ações de companhias que atuam no segmento de distribuição de energia como Cemig, CPFL e Light fecharam no vermelho, diante da avaliação de que medida do governo anunciada na sexta-feira para cobrir maiores custos com a compra de energia mais cara em janeiro não representa uma solução permanente para as empresas.

Eletropaulo, contudo, encerrou em leve alta.

Com a queda desta segunda, analistas apontaram que o Ibovespa tende a se aproximar da mínima do intradia ano passado, de 44.107 pontos.

"A perspectiva é de que (o Ibovespa) vá buscar os 44 mil pontos, depois de romper o suporte técnico na faixa dos 46 mil", afirmou o analista Leandro Silvestrini, da Intrader.

(Por Priscila Jordão)