BC do Japão mantém estímulo, mas piora visão sobre exportações

terça-feira, 11 de março de 2014 08:48 BRT
 

Por Stanley White e Tetsushi Kajimoto

TÓQUIO, 11 Mar (Reuters) - O banco central do Japão manteve seu estímulo monetário nesta terça-feira com a visão de que o crescimento da economia e dos preços ao consumidor continua nos trilhos, mas piorou sua avaliação das exportações em um sinal de alerta sobre a demanda externa.

O presidente do BC, Haruhiko Kuroda, demonstrou confiança de que a fraqueza nas exportações é temporária e defendeu a avaliação do BC de que a economia pode continuar com uma recuperação gradual, sugerindo que um afrouxamento adicional não é iminente.

O BC de fato melhorou sua avaliação sobre os gastos de capital e tornou-se mais otimista sobre a produção industrial, mostrando mais confiança na demanda doméstica antes de um aumento no imposto sobre vendas marcado para 1º de abril.

Entretanto, esse otimismo não deve aliviar as preocupações de que a demanda doméstica vai enfraquecer após o aumento do imposto e que as exportações não serão fortes o suficiente para sustentar o crescimento, o que pode aumentar os pedidos de mais estímulo monetário.

Como esperado, o BC votou por unanimidade para manter sua promessa de elevar a base monetária a um ritmo anual de 60 trilhões a 70 trilhões de ienes (589-687 bilhões de dólares).

O BC lançou o estímulo em abril passado, afirmando que elevaria a inflação dentro de cerca de dois anos através de agressivas compras de ativos conforme busca acabar com 15 anos de deflação.

O BC disse que as exportações se estabilizaram recentemente, o que é uma piora em relação à sua avaliação do mês passado, quando o banco central disse que as exportações estavam em um caminho de recuperação.

As exportações estão fracas devido principalmente a uma desaceleração em economias asiáticas e outras emergentes, disse Kuroda.