Saldo da energia de reserva deve ajudar a cobrir custos de distribuidoras

terça-feira, 11 de março de 2014 17:40 BRT
 

Por Leonardo Goy e Anna Flávia Rochas

BRASÍLIA/SÃO PAULO, 11 Mar (Reuters) - O governo federal deve ter uma ajuda de até 2,175 bilhões de reais em 2014 para cobrir gastos das distribuidoras de eletricidade com energia mais cara no curto prazo relacionados à forte geração termelétrica.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) deve concluir até o início de abril uma resolução para regulamentar a devolução dos saldos da Conta de Energia de Reserva (Coner), que pode fazer com que as distribuidoras recebam recursos que aliviariam um pouco a pressão para aporte do Tesouro Nacional na Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).

A resolução que está em análise pela área técnica da Aneel consiste na regulamentação da devolução, mensal, dos saldos acumulados pelas usinas que geram a chamada "energia de reserva" aos usuários dessa energia --distribuidoras, autoprodutores e consumidores livres e especiais.

Essas usinas são contratadas em leilões de energia de reserva para suprir a diferença entre a garantia física declarada e a real das geradoras do país, com o objetivo de elevar a segurança no suprimento de eletricidade do sistema.

Os geradores de energia de reserva, principalmente usinas eólicas e de biomassa, são remunerados pelo preço da energia oferecido no leilão, mas a operação é liquidada com base no preço do mercado de curto prazo, o Preço de Liquidação das Diferenças (PLD).

O PLD está na máxima de 822,83 reais por megawatt/hora (MWh) para as regiões Sudeste/Centro-Oeste e Sul e em patamares elevados no Norte e Nordeste desde o fim de janeiro, diante do baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas pela falta de chuvas. Como as usinas de reserva venderam energia nos leilões entre 120 e 150 reais o MWh, em média, a Coner está gerando saldo positivo.

O superintendente de Estudos do Mercado da Aneel, Frederico Rodrigues, disse à Reuters que a estimativa, é de que até 2,9 bilhões de reais possam sobrar na Coner, com base nas projeções atuais do órgão regulador para o PLD neste ano. Ele frisou, porém, que como essa é uma previsão e que há muitos dados variáveis, o montante pode mudar.

"O valor depende da geração que efetivamente ocorrer e do patamar do PLD", disse ele.   Continuação...