13 de Março de 2014 / às 12:07 / 3 anos atrás

Peru negocia com construtora brasileira sobre retomada de mega projeto

LIMA, 13 Mar (Reuters) - O Peru está negociando com a construtora brasileira OAS sobre a retomada da construção de uma usina hidrelétrica de 4 bilhões de dólares, suspensa desde 2011 devido à oposição de moradores da região, disse uma autoridade nesta quarta-feira.

Jesús Ramírez, gerente-geral da companhia de energia administrada pelo Estado, a Electroperu, disse em uma entrevista que as conversas sobre a retomada do controverso projeto Inambari, de 2 mil megawatts, começaram no ano passado.

Um representante da OAS no Peru disse por telefone que a companhia não comentaria o assunto.

O megaprojeto, na Amazônia peruana perto da fronteira com o Brasil, foi suspenso em junho de 2011 pelo governo do ex-presidente Alan García em meio a protestos feitos pelas comunidades indígenas próximas.

O projeto prevê o represamento de um rio e a inundação de terras onde pessoas vivem hoje, tornando necessária a realização de vilas.

O projeto Inambari, que enfrenta oposição de vários grupos locais e estrangeiros, indignas e ambienta listas, precisa ser construído antes que quatro outras represas planejadas na região possam avançar, disse Ramírez.

Disse que a OAS entrou em contacto com a Electroperu para ajudar na obtenção das licenças ambientais e a obter algum progresso junto às comunidades.

"Estamos falando sobre criar as condições certas... para desenvolver estes projetos social e ambiental mente", disse Ramírez.

O projeto de Inambari têm previsão de gerar o dobro de eletricidade que a maior hidrelétrica do Peru, Man taro, e de criar a base para eventualmente exportar eletricidade para o Brasil, um objetivo de longa data de ambos países.

Ramírez disse que o Peru hoje tem à disposição 20 mil megawatts de potencial hidrelétrico nos rios da amazônia perto da fronteira com o Brasil. As outras represas planejadas na área incluem Inambari, Tambor 1, Tambor 2 e Paquitzapango.

"Estes projeto precisam ser desenvolvidos pois são eles que vão assegurar a eletricidade no longo prazo", disse Ramírez. "Os projetos vão demorar de 10 a 12 anos para serem concluídos", e consumir um investimento total de cerca de 60 bilhões de dólares.

Por Teresa Despedes e Mitra Ta

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below