Valor de empréstimo a ser tomado por CCEE para distribuidoras poderá variar

sexta-feira, 14 de março de 2014 20:08 BRT
 

Por Leonardo Goy

BRASÍLIA/SÃO PAULO, 14 Mar (Reuters) - O valor do empréstimo que a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) terá que tomar no mercado para ajudar a equacionar os problemas das distribuidoras, e que será pago pelos consumidores em 2015, poderá variar, disse nesta sexta-feira o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino.

O valor, estimado em 8 bilhões de reais na quinta-feira quando o governo anunciou medidas de apoio ao setor, dependerá do resultado do leilão de energia existente marcado para 25 de abril, disse Rufino, e também do comportamento dos preços no mercado de curto prazo ao longo do ano.

A previsão de 8 bilhões de reais do empréstimo foi calculada com base em um Preço de Liquidação de Diferenças (PLD) médio no ano de cerca de 470 reais por megawatt-hora, explicou Rufino. "Se não conseguir contratar os 3,3 mil megawatts médios de exposição no leilão, vai ter de aumentar o empréstimo", disse ele a jornalistas.

Por outro lado, ele salientou que se o preço do PLD, no ano, ficar abaixo da média estimada, o volume do empréstimo poderá ser menor que a estimativa de 8 bilhões.

Segundo Rufino, há muitas usinas termelétricas sem contrato de longo prazo e esses empreendimentos poderiam participar do leilão. Ele citou como exemplo que somente a Petrobras tem usinas aptas a participar e que geram cerca de 1 mil MW médios.

SEM DIRETRIZES PARA LEILÃO

Perguntado quais seriam as diretrizes do leilão, como preço da energia e prazo dos contratos, fundamentais para o certame e para o sucesso do plano do governo para resolver o problema de subcontratação de eletricidade pelas distribuidoras, Rufino respondeu apenas que elas serão definidas pelo Ministério de Minas e Energia.

O diretor-geral da Aneel disse também que a agência vai elaborar um regulamento para viabilizar o mecanismo pelo qual os consumidores pagarão, via tarifa, o empréstimo que a CCEE vai contratar no mercado para cobrir a exposição das distribuidoras.   Continuação...