18 de Março de 2014 / às 00:22 / em 4 anos

Recuperação mundial é insuficiente para estimular emergentes, diz Mantega

SÃO PAULO, 17 Mar (Reuters) - A economia mundial está se recuperando, principalmente nos países mais avançados, mas essa recuperação ainda é insuficiente para estimular os países em desenvolvimento, avaliou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, nesta segunda-feira, depois de encontro com o secretário do Tesouro dos Estados Unidos.

“Nossa avaliação é semelhante, observamos uma recuperação da economia internacional”, disse Mantega ao lado do secretário norte-americano, Jack Lew, na capital paulista.

“No entanto, essa recuperação, do meu ponto de vista, é ainda incipiente, mais lenta do que gostaríamos e ainda não é suficiente para estimular a retomada dos países emergentes.”

Mantega manifestou preocupação principalmente com a China, maior parceiro comercial brasileiro.

O ministro disse que a economia mundial está se ajustando ao processo de redução dos estímulos, que traz volatilidade. Mas ressaltou que os mercados já assimilaram e superaram a redução dos estímulos pelo Federal Reserve, o banco central dos EUA.

REFORMA DO FMI

Em um recado indireto para os EUA, Mantega ressaltou a necessidade de avançar na reforma do Fundo Monetário Internacional para que o organismo possa ajudar países em necessidade, como a Ucrânia.

“Tem que terminar (a reforma) para que haja uma distribuição das novas cotas e o FMI seja fortalecido”, disse Mantega.

O Brasil e outros grandes países emergentes, como a China e a Rússia, já expressaram frustração com a incapacidade do Congresso norte-americano de ratificar um pacote de reformas que aumentaria suas influências no organismo.

O secretário do Tesouro norte-americano disse que expressou a Mantega que a reforma das cotas do FMI é uma prioridade para o governo de Barack Obama. Ele também repetiu comentários de Mantega sobre a importância de um FMI forte para países como a Ucrânia.

“Eu enfatizei a necessidade de aprovar a reforma da legislação de governança do FMI de modo que o Fundo possa continuar a apoiar os mercados emergentes e a estabilidade econômica mundial”, disse Jack Lew.

Se os Estados Unidos não ratificarem as reformas até abril, o Brasil e outros países emergentes poderiam explorar maneiras de adotá-las, segundo já afirmaram autoridades brasileiras.

O governo Obama tem tentado fazer com que o Congresso aprove mudanças no financiamento do FMI que alterariam o conselho de administração do Fundo, fariam da China o seu terceiro maior membro e dariam a países emergentes, como Índia e Brasil, mais poder de influência.

Por Asher Levine, com reportagem adicional de Alonso Soto

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below