ENTREVISTA-Cargill investe US$140 mi em ampliação de fábricas de amidos no Brasil

quarta-feira, 19 de março de 2014 16:33 BRT
 

Por Gustavo Bonato

SÃO PAULO, 19 Mar (Reuters) - A divisão brasileira da gigante do agronegócio Cargill vai investir pelo menos 140 milhões de dólares nos próximos dois anos para expandir fábricas de ingredientes para a indústria alimentícia, revelou um executivo da empresa.

A unidade de amidos e adoçantes, que processa anualmente 1 milhão de toneladas de milho, pretende aumentar o portfólio de produtos mais elaborados, de olho em um mercado consumidor exigente.

"A indústria tem necessidade de produtos com características diferentes. E isso demanda tecnologia", disse à Reuters o diretor de Amidos e Adoçantes da Cargill, Laerte Moraes.

"Hoje o iogurte tem que ter baixa gordura, tem que ter textura, não pode ter sabor de açúcar acentuado, tem que ter baixa caloria... Você vai colocando uma série de componentes e precisa achar soluções para isso", exemplificou o executivo.

A Cargill aponta os segmentos de alimentação infantil, sorvetes e bebidas esportivas como os mais promissores. Pais que exigem alimentos cada vez mais seguros e nutritivos, consumidores em busca de sabores mais sofisticados e um maior número de praticantes de esportes devem favorecer os negócios no setor de amidos e adoçantes de alto valor agregado.

A Cargill vai investir cerca de 40 milhões de dólares em sua unidade de Uberlândia (MG) para a expansão de 40 por cento da produção de maltodextrina, um derivado do milho usado, por exemplo, em alimentos infantis e isotônicos (bebidas para esportistas).

A fábrica em Minas Gerais vai receber também investimentos de mais de 75 milhões para elevar a produção de ácido cítrico, amidos modificados e ração animal. Uma outra fábrica, em Castro (PR), ficará com cerca de 25 milhões de dólares, para criar uma nova linha de amido modificado industrial, vendido à indústria de papel.

Apesar das ampliações, o consumo de milho da divisão de negócios não deve crescer após a conclusão das novas instalações, já que o foco está na agregação de valor, disse Moraes.   Continuação...