Suzano Papel e Celulose quer elevar base florestal própria no Maranhão

quinta-feira, 20 de março de 2014 12:21 BRT
 

Por Roberta Vilas Boas

SÃO PAULO (Reuters) - A fabricante de papel e celulose Suzano planeja elevar sua base florestal para fornecimento de madeira na recém-inaugurada fábrica em Imperatriz (MA), elevando o abastecimento próprio que atualmente responde por 40 por cento do total, disse o presidente da companhia, Walter Schalka, em entrevista à Reuters.

A empresa iniciou as operações na fábrica, que tem capacidade para 1,5 milhão de toneladas de celulose por ano, no fim de dezembro de 2013. A estimativa é que a unidade produza 1,1 milhão de toneladas em 2014, com vendas de 1 milhão de toneladas.

"Estamos aumentando nossa base florestal na região, com terras compradas, arrendadas e/ou fomento para aumentar o abastecimento próprio", disse o executivo à Reuters.

Além dos 40 por cento de madeira própria, a Suzano obtém 30 por cento do abastecimento por meio de um contrato com prazo de 14 anos com a Vale Florestar, empresa que tem como acionistas Vale, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e fundos de pensão dos funcionários da Caixa Econômica Federal (Funcef) e da Petrobras (Petros).

Os outros 30 por cento restantes são madeiras de terceiros, que a Suzano tem comprado na região.

Segundo Schalka, os investimentos na compra de terras já estão previstos nos planos para 2014, e "não são elevados". A Suzano prevê investimentos de 1,75 bilhão de reais neste ano, sendo 590 milhões na fábrica no Maranhão.

O executivo ressaltou ainda que o cenário de maior capacidade no setor de celulose, com a inauguração de outras fábricas além da unidade da Suzano, não afetará a nova unidade. "Maranhão vai ser a fábrica de menor custo caixa do nosso sistema, a mais competitiva de todas e por isso vai operar durante todo o momento", disse.

Porém, o aumento de capacidade já deve ter impactos nos preços de celulose, interrompendo a sequência de reajustes feitos no ano passado. A Suzano chegou a anunciar um aumento no preço da tonelada para janeiro, mas não conseguiu implementá-lo.   Continuação...