Economistas veem Selic a 11,25% no final de 2014 e inflação de 6,28%

segunda-feira, 24 de março de 2014 13:17 BRT
 

SÃO PAULO, 24 Mar (Reuters) - Economistas de instituições financeiras passaram a ver maior aperto monetário neste ano mas ao mesmo tempo elevaram pela terceira semana seguida a perspectiva para a inflação em 2014, deixando-a ainda mais perto do teto da meta do governo.

A pesquisa Focus do Banco Central divulgada nesta segunda-feira mostrou que os economistas passaram a ver a Selic a 11,25 por cento no final de 2014, ante 11,00 por cento na semana anterior.

Eles mantiveram a perspectiva de nova elevação de 0,25 ponto percentual na reunião de abril do Comitê de Política Monetária (Copom), a 11,00 por cento, e voltaram a ver outra alta na mesma magnitude em dezembro.

Desde abril passado, o BC já elevou a Selic em 3,5 pontos percentuais, para o atual patamar de 10,75 por cento, a fim de combater a inflação. Recentes sinais de pressão sobre os preços já haviam levado a curva de juros futuros a precificar mais dois aumentos de 0,25 ponto percentual, em abril e maio.

Já o Top 5 de médio prazo, com as instituições que mais acertam as projeções nesse período, vê aperto monetário maior. A mediana das projeções é de Selic a 11,75 por cento no final de 2014, inalterado ante a semana anterior.

INFLAÇÃO

Apesar da expectativa de Selic maior, os economistas passaram a ver um cenário de inflação ainda mais alta. A mediana das projeções aponta agora o IPCA a 6,28 por cento no final de 2014, ante 6,11 por cento na pesquisa anterior.

Para 2015, a perspectiva subiu a 5,80 por cento, 0,10 ponto percentual a mais.

Já a perspectiva para a inflação nos próximos 12 meses foi elevada em 0,08 ponto percentual, a 6,20 por cento. A meta de inflação é de 4,5 por cento, com margem de 2 pontos percentuais para mais ou menos.   Continuação...

 
Uma bandeira do Brasil vista fora da sede do Banco Central, em Brasília. Economistas de instituições financeiras passaram a ver maior aperto monetário neste ano mas ao mesmo tempo elevaram pela terceira semana seguida a perspectiva para a inflação em 2014, deixando-a ainda mais perto do teto da meta do governo. 15/01/2014 REUTERS/Ueslei Marcelino