Exportação de açúcar da Índia é afetada por alto preço interno e câmbio

quarta-feira, 26 de março de 2014 12:03 BRT
 

Por Rajendra Jadhav

MUMBAI, 26 Mar (Reuters) - Os comerciantes de açúcar da Índia estão enfrentando dificuldades para assinar novos contratos de exportação, com o aumento nos preços domésticos para um pico de sete meses e um rali da rupia que levou os compradores a esperar por ofertas mais baratas da Tailândia, disseram operadores nesta quarta-feira.

As exportações mais lentas do segundo maior produtor global poderão sustentar os preços mundiais do açúcar, que retrocederam nas últimas duas semanas, em parte, por preocupações com uma oferta recorde da Tailândia --estimada em 11 milhões de toneladas--, que pode inflar um mercado mundial já amplamente abastecido.

"Está quase impossível fechar novos negócios para o açúcar branco. O açúcar indiano está muito caro", disse Kamal Jain, diretor da trading Kamal Jain, em Pune.

"Mesmo no açúcar bruto, as exportações desaceleraram. Apenas o Irã está comprando em rupias. Os outros não se sentem confortáveis com os preços atuais."

A Índia está oferecendo o açúcar branco em torno de 492 dólares por tonelada, preço FOB, contra ofertas da Tailândia, de 470 dólares para um açúcar branco comparativamente de melhor qualidade, disseram operadores.

A Tailândia é o segundo maior exportador de açúcar do mundo, depois do Brasil.

O açúcar bruto está sendo cotado a 438 dólares por tonelada, em comparação com a oferta tailandesas em 381 dólares.

"Há dois meses, usinas no principal Estado produtor, Maharashtra, estavam dispostas a vender açúcar abaixo dos preços domésticos. Desde o anúncio de um subsídio à exportação do açúcar bruto, eles elevaram as cotações", disse um negociante de Mumbai para uma corretora global.   Continuação...

 
Um vendedor arruma placas com preços em sacas cheias de açúcar em um mercado por atacado na cidade de Ahmedabad. Os comerciantes de açúcar da Índia estão enfrentando dificuldades para assinar novos contratos de exportação, com o aumento nos preços domésticos para um pico de sete meses e um rali da rupia que levou os compradores a esperar por ofertas mais baratas da Tailândia, disseram operadores nesta quarta-feira. 11/09/2013 REUTERS/Amit Dave