27 de Março de 2014 / às 12:27 / 3 anos atrás

BC vê inflação acima de 6% neste ano, com pressão de administrados

Por Patrícia Duarte e Luciana Otoni

SÃO PAULO/BRASÍLIA, 27 Mar (Reuters) - Com forte pressão dos preços administrados, o Banco Central elevou bastante sua projeção de inflação neste ano, para acima de 6 por cento, ao mesmo tempo em que piorou as contas para o crescimento econômico, indicando que o ciclo de aperto monetário pode ser ainda mais longo.

Segundo o Relatório Trimestral de Inflação do BC divulgado nesta quinta-feira, o IPCA ficará em 6,1 por cento neste ano pelo cenário de referência, ante previsão de 5,6 por cento, aproximando-se ainda mais do teto da meta do governo, de 4,5 por cento, com margem de dois pontos percentuais para mais ou menos.

O BC também piorou a sua estimativa para a inflação em 2015, a 5,5 por cento em 2015, um pouco acima da medida anterior (5,4 por cento) e projeta que ela fechará o primeiro trimestre de 2016 em 5,4 por cento, também pelo cenário de referência, que vê o dólar a 2,35 reais e Selic a 10,75 por cento.

Os riscos desse cenário, alertou a autoridade monetária, vêm "do comportamento das expectativas de inflação, impactadas negativamente nos últimos meses pelo nível da inflação corrente". Isso porque há dispersão de aumentos de preços e incertezas sobre os preços da gasolina e de alguns serviços públicos, como eletricidade.

Dentro desse contexto, o BC elevou suas estimativas para a alta nos preços administrados a 5 por cento em 2014 e 2015, 0,5 ponto percentual a mais do que a conta anterior. Especificamente para os preços de eletricidade neste ano, a projeção de alta passou a 9,5 por cento, ante 7,5 por cento.

"A esse respeito, o Comitê tem agido no sentido de fazer com que a elevada variação dos índices de preços observada nos últimos doze meses seja percebida pelos agentes econômicos como um processo de curta duração", trouxe o relatório. E acrescentou que esses efeitos "podem e devem ser limitados pela adequada condução da política monetária".

Bastante questionado sobre o que levou a essa maior estimativa na tarifa de energia, como o plano para financiar os gastos com acionamento das térmicas por conta da atual estiagem, o diretor de Política Econômica do BC, Carlos Hamilton Araújo, afirmou apenas que as contas se dão "com base nos instrumentos que temos".

Segundo ele, a inflação vai ceder, mas acrescentou que o horizonte de trabalho do BC, de 24 meses à frente, "não contempla convergência da inflação para a meta". O diretor também disse que a política fiscal é neutra e "não adiciona demanda agregada" em 2014 e em 2015.

No relatório, o BC voltou a afirmar que é preciso ficar "especialmente vigilante" e que os efeitos da política monetária ocorrem com defasagem.

SELIC AINDA MAIOR

Para especialistas, a mudança do cenário inflacionário feito pelo BC foi bastante importante e pode indicar mais aperto monetário. "Se os dados de inflação continuarem vindo ruins, a Selic teria de subir mais", afirmou o economista-chefe do banco Fator, José Francisco Gonçalves, para quem a taxa básica de juros ainda será elevada mais 3 vezes, em 0,25 ponto percentual cada.

"Mas tem limite. Até certo ponto, não tem como combater preços administrados com aumento de juros", acrescentou.

Desde abril passado, o BC já elevou a Selic em 3,5 pontos percentuais, para o atual patamar de 10,75 por cento ao ano, a fim de combater a inflação ainda pressionada.

Na próxima semana, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC se reúne novamente e mais uma alta de 0,25 ponto percentual na taxa básica de juros é esperada. Para maio, também já existiam apostas de outro movimento igual, o que levaria a Selic a 11,25 por cento.

No mercado futuro de juros, nesta sessão, as apostas de mais essa alta se consolidaram.

O BC também ressaltou as pressões de preços localizadas "especialmente no segmento de alimentos in natura, embora, em princípio, trate-se de choque temporário e que tende a se reverter nos próximos meses", acrescentou.

Segundo o diretor do BC, essa pressão vai começar a perder força apenas em junho.

Segundo pesquisa Focus do próprio BC da semana passada, a projeção dos economistas era de que o IPCA fechará este ano a 6,28 por cento e, 2015, a 5,80 por cento.

O cenário macroeconômico do país não é dos mais animadores neste ano, quando a presidente Dilma Rousseff tentará a reeleição, com expectativas de desaceleração da atividade e inflação ainda elevada, próxima do teto da meta.

E, para piorar, o BC projeta que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deste ano será de 2 por cento, desacelerando sobre o resultado de 2013.

Para Carlos Hamilton, a expansão da economia neste ano será puxada mais pelo setor privado e menos pelo setor público, mas enxerga que a expansão dos investimentos vai recuar. Uma recuperação neste quadro virá com melhora da confiança das empresas.

Veja as projeções do BC:

1. Produto Interno Bruto (PIB)

Oferta

• Agropecuária: 3,5% (7,0% em 2013)

• Indústria: 1,5%(1,3% em 2013)

• Serviços: 2,2% (2,0% em 2013)

Demanda

• Investimentos: 1,0% (6,3% em 2013)

• Consumo das Famílias: 2,0% (2,3% em 2013)

• Consumo do Governo: 2,1% (1,9% em 2013)

2. Inflação (IPCA)

Cenário de referência

2014: 6,1%, ante 5,6%

2015: 5,5%, ante 5,4%

2016: 5,4%(em 12 meses encerrados no primeiro trimestre)

Cenário de mercado

2014: 6,2%, ante 5,6%

2015: 5,5%, ante 5,3%

2016: 5,2% (em 12 meses encerrados no primeiro trimestre)

Fonte: BC

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below