27 de Março de 2014 / às 14:32 / 3 anos atrás

Greve de aeroviários paralisa voos na Alemanha

Membros do sindicato Verdi protestam durante uma greve, no aeroporto de Frankfurt. Os principais aeroportos da Alemanha pararam na quinta-feira devido a uma greve de aeroviários por motivo salarial. 27/03/2014Ralph Orlowski

FRANKFURT, 27 Mar (Reuters) - Os principais aeroportos da Alemanha pararam na quinta-feira devido a uma greve de aeroviários por motivo salarial.

Aeroportos de todo o país foram afetados, inclusive o de Frankfurt, terceiro maior da Europa.

Para evitar uma repetição do caos visto no mês passado por causa de uma greve de seguranças nos aeroportos, a Lufthansa cancelou um terço dos seus voos programados para quinta-feira. Isso inclui praticamente todos os voos domésticos e voos internacionais curtos durante a paralisação, que terminaria às 13h (10h em Brasília).

Por causa dos cancelamentos, os aeroportos de Frankfurt e Munique permaneciam tranquilos, sem filas.

A greve envolve funcionários públicos que trabalham nos aeroportos com manipulação de bagagens, segurança e serviços de manutenção em terra. Em Frankfurt, são cerca de 6.000 profissionais nessas condições - muitos outros estão subordinados à iniciativa privada.

O sindicato Verdi disse na quinta-feira que cerca de 1.500 funcionários aderiram à paralisação em Frankfurt.

Outras companhias aéreas, como Etihad, British Airways, Condor e Air Berlin, tomaram medidas como alterar o horário dos voos, transferir as partidas para Duesseldorf ou estimular as pessoas a viajarem apenas com bagagem de mão.

Em Frankfurt, que geralmente opera 1.200 a 1.400 voos às quintas-feiras, 550 deles foram cancelados.

As operações devem ser normalizadas rapidamente após o fim da greve, mas a Lufthansa estimou que terá um prejuízo de milhões de euros.

A paralisação é parte de um movimento mais amplo dos funcionários públicos, o que envolve também funcionários dos transportes públicos e de creches.

Os sindicatos reivindicam um reajuste salarial de 3,5 por cento, mais um abono de 100 euros (140 dólares) por mês para os cerca de 2,1 milhões de servidores públicos federais e municipais.

O governo diz que aceita conceder um reajuste, mas que a reivindicação sindical é alta demais.

Reportagem de Victoria Bryan, Peter Maushagen, Kirsti Knolle e Ralf Bode

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below