El Niño pode ajudar reservatórios de hidrelétricas do Sul e Sudeste em 2014/2015

quinta-feira, 27 de março de 2014 14:31 BRT
 

Por Anna Flávia Rochas

SÃO PAULO, 27 Mar (Reuters) - As indicações de que o fenômeno climático El Niño poderá ocorrer no próximo período úmido 2014/2015 são positivas para os reservatórios das hidrelétricas no Sul do Brasil, já que tende a provocar mais chuvas que o normal nessa região, enquanto que a situação para o Sudeste tende a ser de irregularidade tendendo à melhora.

Atualmente, há cerca de 60 a 70 por cento de chances de que o fenômeno ocorra neste ano, trazendo muita chuva no Sul e pouca no Nordeste, segundo o meteorologista da Climatempo, Alexandre Nascimento. "Em se tratando de Sudeste, a situação deve ser não extremamente ruim como foi o último ano, mas ainda irregular", disse ele nesta quinta-feira.

Em geral, o El Niño causa muita chuva no Sul, chuva de menos no Nordeste e calor acima da média no Sudeste, com irregularidade no regime de chuvas dessa região, segundo Nascimento.

Entretanto, a ocorrência de um El Niño pode significar período úmido menos pior em regime de chuvas para o Sudeste em relação ao período atual. Isso porque, em alguns momentos, a forte chuva esperada para o Sul poderia até chegar a parte do Sudeste, colaborando para bacias do rio Grande e Paranaíba.

"Se realmente o El Niño se concretizar, podemos ter um período úmido 2014/2015 muito melhor que os últimos três anos. Mas ainda não é chuva suficiente para reverter a situação (dos reservatórios do Sudeste)", disse.

A possibilidade de mais chuva no próximo período úmido seria muito importante para os reservatórios da região Sudeste do Brasil, que passam pelo segundo período úmido com níveis baixos históricos, ajudando também a garantir fornecimento de energia ao país em 2015.

O El Niño tende a começar a se configurar na virada para o segundo semestre, estando formado quando entrar o próximo período úmido, no final do ano. A ocorrência do fenômeno ainda não é totalmente certa.

Durante a estação seca deste ano no Sudeste, no entanto, não deve haver mais chuva que o normal, sendo que a tendência é de que fique entre normal a abaixo da média.   Continuação...