Eneva amplia prejuízo no 4º trimestre

sexta-feira, 28 de março de 2014 07:44 BRT
 

SÃO PAULO, 28 Mar (Reuters) - A Eneva, ex-MPX, ampliou seu prejuízo no quarto trimestre de 2013 sobre igual período do ano anterior, impactada por custos de indisponibilidade decorrentes de paralisações nas usinas térmicas a carvão e também por despesas de juros relacionadas ao fim do período de carência dos empréstimos de longo prazo dos projetos.

A companhia de energia informou na madrugada de sexta-feira que registrou um prejuízo de 280,3 milhões de reais no quarto trimestre de 2013, ampliando as perdas ante o prejuízo de 135,8 milhões de reais um ano antes.

A geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) somou 76,3 milhões de reais no período, uma melhora ante o resultado negativo em 71,9 milhões de reais no mesmo trimestre de 2012. A empresa atribuiu a melhora ao início da operação comercial de Pecém II em outubro do ano passado.

A receita operacional líquida saltou mais de 26 vezes na mesma base de comparação, totalizando 530,3 milhões de reais entre outubro e dezembro de 2013.

A dívida líquida da Eneva somava 5,932 bilhões de reais no quarto trimestre, alta de 10,08 por cento sobre um ano antes.

Outrora conhecida como MPX, a Eneva é controlada em conjunto pela E.ON, maior concessionária da Alemanha, e pelo magnata Eike Batista.

(Por Roberta Vilas Boas; Edição de Marcela Ayres)