Pressionado por Alimentação, IPC-Fipe acelera alta a 0,74% em março

quarta-feira, 2 de abril de 2014 07:19 BRT
 

SÃO PAULO, 2 Abr (Reuters) - O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de São Paulo fechou março com alta de 0,74 por cento, depois de subir 0,52 por cento em fevereiro, pressionado pelos preços de Alimentação, informou a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) nesta quarta-feira.

Na terceira quadrissemana de março, o IPC-Fipe tinha subido 0,76 por cento.

O resultado final de março ficou abaixo da expectativa em pesquisa da Reuters, cuja mediana de 16 projeções apontava alta de 0,79 por cento, com as estimativas variando entre 0,69 e 0,85 por cento.

Segundo a Fipe, o grupo com maior peso sobre a variação do índice foi Alimentação, com 0,4557 ponto percentual, após registrar alta de 2,00 por cento em março, ante avanço de 0,51 por cento no mês anterior.

O segundo maior peso veio de Transportes, com alta de 0,81 por cento, representando 0,1418 ponto percentual.

O Comitê de Política Monetária (Copom) anuncia nesta quarta-feira sua decisão sobre a Selic, atualmente em 10,75 por cento. No geral, as expectativas são de nova elevação de 0,25 ponto percentual agora e mais uma, com a mesma intensidade, em maio.

Essa reunião acontece sob preocupação com os elevados níveis da inflação, depois de o próprio Banco Central ter piorado sua projeção para a alta dos preços neste ano a 6,1 por cento, aproximando-se ainda mais do teto da meta do governo, de 4,5 por cento, com margem de dois pontos percentuais para mais ou menos.

A divulgação do IPC-Fipe referente à primeira quadrissemana de abril ocorrerá em 9 de abril.

O IPC-Fipe mede as variações quadrissemanais dos preços às famílias paulistanas com renda mensal entre 1 e 10 salários mínimos.

(Por Camila Moreira)