3 de Abril de 2014 / às 16:18 / em 4 anos

Bunge ampliará liderança na moagem de trigo no Brasil com novo moinho

SÃO PAULO, 3 Abr (Reuters) - A Bunge anunciou nesta quinta-feira que investirá 500 milhões de reais na construção de um novo moinho de trigo no Brasil, o que ampliará a liderança da empresa no setor, com uma capacidade de moagem de 1,85 milhão de toneladas ao ano.

Esse volume representa pouco mais de 10 por cento da atual capacidade industrial total do país, que varia entre 16 milhões e 17 milhões de toneladas, segundo consenso do mercado.

A nova unidade em Duque de Caxias (RJ), projetada para ser a mais moderna planta de moagem de trigo da América Latina, terá capacidade para moer mais de 600 mil toneladas de trigo por ano, segundo nota da Bunge.

“Além de consolidar nossa posição como líderes, estaremos bem preparados para atender a crescente demanda de farinhas na região Sudeste...”, afirmou o vice-presidente de Alimentos e Ingredientes da Bunge Brasil, Filipe Affonso Ferreira, em nota.

O novo empreendimento integrará o atual moinho Fluminense e o Centro de Distribuição Rio, que serão transferidos para um único local, explicou a empresa.

Com a construção do Moinho Fluminense, que deverá ser inaugurado em 2016, a Bunge terá três dos maiores moinhos da América Latina: o Fluminense e as unidades da região do porto de Suape (PE) e de Ponta Grossa (PR).

O Brasil atualmente utiliza cerca de 70 por cento de sua capacidade total de moagem.

O país, um importador líquido do cereal, com compras no exterior de mais de 7 milhões de toneladas em 2013, moeu 11,7 milhões de toneladas do cereal no ano passado, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo).

A construção do novo moinho é estratégica, disse a Bunge Brasil, subsidiária da multinacional do agronegócio com sede nos Estados Unidos.

“Os Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo, atendidos pelo moinho, formam uma das regiões onde a empresa está focando seus investimentos para modernizar suas operações, ampliar sua capacidade produtiva e atender as necessidades do mercado em crescimento.”

A Bunge também tem moinhos de trigo situados em regiões como Brasília (DF), Santa Luzia (MG), Tatuí (SP), Santos (SP), além da unidade de mistura e envase de Contagem (MG).

Em 2013, a empresa adquiriu o moinho Vera Cruz, em Minas Gerais.

O foco no setor de trigo ocorre após a empresa registrar perdas recentes em seu negócio de açúcar e etanol no Brasil, sinalizando até mesmo planos de deixar o deficitário segmento sucroalcooleiro.

O projeto fluminense, diz a Bunge, incorpora conceitos de automação industrial no processamento do trigo, desde o recebimento da matéria-prima, utilizando tecnologias modernas para classificação e beneficiamento dos grãos, até monitoramento e controle dos equipamentos de moagem e envase.

A empresa disse que planeja transferir funcionários das unidades atuais (moinho e centro de distribuição) para o novo empreendimento, além de capacitá-los para operar processos nos novos padrões tecnológicos.

Por Roberto Samora

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below