Produtores do Brasil seguram milho e apertam oferta à indústria em plena safra

quinta-feira, 3 de abril de 2014 16:35 BRT
 

Por Gustavo Bonato

SÃO PAULO, 3 Abr (Reuters) - Indústrias brasileiras consumidoras de milho têm encontrado dificuldade de fechar novas compras do cereal, apesar da colheita em andamento no país, com produtores capitalizados segurando sua produção na expectativa de uma escalada de preços.

"As indústrias estão tendo essa dificuldade. As empresas não têm falta de milho e não estão querendo pagar preços fora da realidade", disse à Reuters o vice-presidente de aves da recém-criada Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin.

Na outra ponta das negociações, os produtores de grãos --capitalizados por três safras consecutivas com boa rentabilidade-- apostam que uma menor produção no Brasil este ano e uma perspectiva de plantio reduzido nos Estados Unidos garantirão preços melhores que os atuais.

"A gente está segurando por causa disso, para ver como vai ser o desenvolvimento da 'safrinha'", disse o produtor Everton Cambruzzi, de Faxinal dos Guedes, na região oeste de Santa Catarina.

A colheita de milho na propriedade da família dele está praticamente encerrada, mas a comercialização atinge apenas 30 por cento do total.

"Ano passado, como o preço estava melhor, conforme ia colhendo, ia vendendo", afirmou o agricultor, que conta estar sendo bastante assediado por indústrias de ração da região --repleta de granjas de aves e suínos-- para liberar seus estoques.

Os preços do milho no mercado à vista no oeste catarinense acumulam alta de 13 por cento nos últimos 40 dias, sendo negociados atualmente a 24,7 reais por saca, segundo levantamentos do Cepea.

Cerca de 40 por cento da área plantada com milho verão já foram colhidos no centro-sul do Brasil, segundo a consultoria Clarivi.   Continuação...

 
Plantação de milho em Santo Antônio do Jardim, município do Estado de São Paulo, no mês de fevereiro. Indústrias brasileiras consumidoras de milho têm encontrado dificuldade de fechar novas compras do cereal, apesar da colheita em andamento no país. 07/02/2014 REUTERS/Paulo Whitaker