Reveses ameaçam metas de petróleo e gás da Petrobras em 2014

quinta-feira, 3 de abril de 2014 18:44 BRT
 

Por Jeb Blount

RIO DE JANEIRO , 3 Abr (Reuters) - A Petrobras sofreu outro revés em seu esforço para aumentar a produção de petróleo no mês passado quando a companhia italiana Saipem SpA, contratada pela estatal, deixou cair um tubo de aço de 2,3 quilômetros no Oceano Atlântico.

Em 16 de março, o equipamento utilizado para juntar o tubo à plataforma de petróleo flutuante falhou, e os tubos de liga de metal, de alta qualidade, despencaram cerca de 1.800 metros para o fundo do mar, ficando destruídos, com perda total.

O tubo em si valia cerca de 2 milhões de dólares, mas o custo do acidente será muito maior, disseram à Reuters duas fontes com conhecimento direto da situação.

Por retardar os esforços para expandir Roncador, o segundo maior campo de petróleo do Brasil, em pelo menos um mês, a Petrobras vai perder dezenas de milhões de dólares em produção de petróleo, salários e locações de equipamentos quando menos pode se permitir um gasto como esse.

"A série de problemas de gestão e de engenharia que a empresa enfrenta é espantosa", disse o professor e pesquisador do Instituto Brasileiro do Petróleo na Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Cleveland Jones.

"Esse pode ter sido um acidente infeliz, mas ocorre quando os problemas organizacionais da empresa estão se tornando mais evidentes."

A produção de petróleo e gás da Petrobras em fevereiro voltou a cair em relação ao ano anterior --há mais de cinco anos a extração da estatal está estagnada.

Essa situação está consumindo a receita da Petrobras e contribuindo para elevar sua dívida. Apesar de ter um plano de investimento de 221 bilhões de dólares em cinco anos, a empresa tem tido pouco sucesso em fazer com que as novas descobertas marítimas gigantes resultem em aumento de produção.   Continuação...