Calotes de empresas de países emergentes caem em 2013, diz S&P

sexta-feira, 4 de abril de 2014 11:18 BRT
 

LONDRES, 4 Abr (Reuters) - Apesar das condições voláteis de mercado, os defaults de pagamentos de dívidas corporativas em países emergentes caiu em 2013, disse a agência de classificação de risco Standard & Poor's, com a brasileira Óleo e Gás Participações, ex-OGX de Eike Batista, respondendo por boa parte do montante não pago.

O número de casos de inadimplência em países emergentes caiu para 16 em 2013, ante 24 em 2013, puxando a taxa de calote corporativo em mercados emergentes para 1,08 por cento, ante 1,41 por cento, disse nesta sexta-feira a S&P em um relatório citado pelo IFR, serviço da Thomson Reuters.

Os 16 calotes registrados em 2013 afetaram mais de 14 bilhões de dólares em dívida. A brasileira Óleo e Gás respondeu por praticamente um quarto desse total.

Ainda quando tinha o nome de OGX, a petroleira tornou-se a maior empresa emissora de um mercado emergente a dar default em suas obrigações no ano passado, quando não realizou pagamento de juros sobre bônus em outubro.

O México teve um total de seis calotes em 2013, maior índice entre todos os países emergentes, incluindo duas trocas de títulos pela empresa de telecomunicações Axtel e pagamentos de juros não realizados por Urbi Desarrollos Urbanos, Corporacion GEO, Desarrolladora Homex e Maxcom Telecomunicaciones.