Indústria quer poder vender sobra de energia em leilões públicos

sexta-feira, 4 de abril de 2014 15:14 BRT
 

Por Anna Flávia Rochas e Leonardo Goy

SÃO PAULO/BRASÍLIA, 4 Abr (Reuters) - Grandes empresas industriais do Brasil querem vender sobras de energia em leilões públicos para o mercado atendido pelas distribuidoras de eletricidade e estão conversando com o Ministério de Minas e Energia sobre o tema, afirmaram fontes do setor elétrico.

A Associação Brasileira dos Investidores em Autoprodução de Energia (Abiape) em conjunto com a Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (Abrace) conversam informalmente com representantes do Ministério sobre o interesse de empresas associadas em oferecer a sobra de energia em leilões, com entrega a partir de 2015.

Os associados da Abiape são Alcoa, ArcelorMittal, CSN, Eneva, Gerdau, InterCement, Odebrecht Energia, Samarco, ThyssenKrupp, Vale e Votorantim Energia. Entre os associados da Abrace estão GM, Dow, Fibria, CSN, Braskem, ArcelorMittal, Alcoa, Anglo American e Bayer.

Os autoprodutores associados à Abiape participam de diversos empreendimentos de geração que totalizam 22.759 MW de potência instalada, dos quais 8.744 MW são específicos para o consumo próprio. Desse total, 7.184 MW já estão em operação no país em 37 hidrelétricas, 17 termelétricas e 8 PCHs.

Já as indústrias associadas à Abrace são responsáveis pelo consumo de aproximadamente 20 por cento da energia elétrica produzida no país, o que corresponde a 45 por cento do consumo industrial de energia, segundo a associação.

PLANEJAMENTO PARA MAIS ENERGIA

O vice-presidente da Abiape, Cristiano Amaral, explica que já existem sobras de energia na indústria, mas que também poderia haver um planejamento para reduzir o consumo e oferecer mais energia.

Segundo ele, parte das sobras de energia existentes estão relacionadas com projetos de ampliações industriais que estavam programados, mas não foram executados.   Continuação...