ONS vê represas do Sudeste estacionadas até fim do mês, analistas temem falta de energia

sexta-feira, 4 de abril de 2014 20:49 BRT
 

Por Anna Flávia Rochas

SÃO PAULO (Reuters) - O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) reduziu a previsão de chuvas para abastecer represas de hidrelétricas do Sudeste e Centro-Oeste em abril, e considera agora que não haverá elevação dos reservatórios dessa região até o fim do período úmido. A previsão eleva a necessidade de reduzir o consumo de energia do país, afirmam analistas.

A estimativa do nível das represas nessa região -- a principal para abastecimento de energia elétrica do país -- ao fim do mês é de 36,5 por cento, praticamente idêntica ao patamar atual, que é de 36,47 por cento.

Em 2001, o ano do racionamento de energia, o nível dos reservatórios do Sudeste/Centro-Oeste terminou abril a 32,18 por cento. Naquele ano, o racionamento foi iniciado em junho. A diferença em relação ao cenário atual é que agora há maior capacidade de geração e transmissão de energia no país, incluindo eletricidade de termelétricas. Porém, também houve elevação no consumo de energia de lá para cá.

A previsão de chuvas para abastecer reservatórios do Sudeste/Centro-Oeste em abril foi reduzida de 83 por cento, na semana passada, para 70 por cento da média histórica para a região, segundo a revisão do Programa Mensal de Operação (PMO) para abril.

O ONS revisa semanalmente as previsões de acordo com os níveis de chuva verificados e previsões de pluviosidade para as próximas semanas, considerando também o consumo de carga de energia realizado e previsto, entre outros fatores.

Analistas do setor têm elevado a cada semana o risco para déficit de energia no país durante o período seco, que vai de maio ao final de outubro, enquanto o nível dos reservatórios do Sudeste desde o final do ano passado caiu 6,71 pontos percentuais -- num período em que tradicionalmente deveria encher. A tendência é que até o final do período tradicionalmente marcado por chuvas fracas o nível das represas do Sudeste continuará a cair.

ECONOMIA DE ENERGIA

Para o coordenador do Grupo de Estudos do Setor de Energia Elétrica (Gesel) da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Nivalde de Castro, o governo federal já deveria tomar medidas para reduzir o consumo de energia elétrica do país.   Continuação...

 
Vista geral do aparato de captação de água na represa do Jaguari, parte do sistema de abastecimento da Cantareira, em Joanópolis, no interior de São Paulo, em fevereiro. 21/02/2014 REUTERS/Paulo Whitaker