Dólar deve garantir rentabilidade para grãos no Brasil, diz Mendonça de Barros

segunda-feira, 7 de abril de 2014 18:02 BRT
 

Por Gustavo Bonato

O dólar deve fechar o ano em alta, em cerca de 2,50 reais, mantendo uma média ao longo do período não muito abaixo de 2,30, o que deve garantir rentabilidade para o setor agrícola brasileiro por meio das exportações, disse nesta segunda-feira o economista José Roberto Mendonça de Barros.

"Eu não vejo o dólar muito abaixo de 2,30 reais", disse e ele em entrevista à Reuters, no intervalo de um evento em São Paulo.

"Ele está temporariamente abaixo, por causa de entrada de capital. É arbitragem de juros. Esse dinheiro não vai ficar. Eu acho que esse dinheiro sai rapidinho porque nos EUA vão começar a subir (os juros)."

A moeda norte-americana fechou a 2,22 reais na venda nesta segunda-feira.

Mesmo com uma queda acumulada pelo dólar de quase 6 por cento ante o início do ano, Mendonça de Barros aposta que a moeda vai fechar 2014 em 2,50 reais, quando o banco central dos EUA voltar elevar juros e enxugar dólares do mercado.

"A soja a 12 dólares, com o dólar que está aí, compensa", estimou o economista, que foi secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, no fim da década de 1990.

O mercado futuro da bolsa de Chicago indica hoje o bushel da oleaginosa, com entrega em novembro, na casa de 12 dólares, bem abaixo do recorde de quase 18 dólares registrado em 2012, em meio a uma quebra de safra nos Estados Unidos.

"Em condições mais ou menos normais (semelhantes às atuais), a expansão dos investimentos vai continuar", disse Mendonça de Barros, acrescentando que os fundamentos devem manter-se pelo menos até a entrada da próxima temporada.   Continuação...