Dólar cai pelo 3º dia e vai a R$2,20, com cena externa e BC

terça-feira, 8 de abril de 2014 18:37 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO, 8 Abr (Reuters) - O dólar fechou em queda pelo terceiro dia consecutivo, com investidores aproveitando a depreciação nos mercados globais para testar a tolerância do Banco Central brasileiro a cotações mais baixas, mas a divisa não encontrou força suficiente para terminar o dia abaixo de 2,20 reais apesar de ter rompido essa barreira no intradia.

Especialistas avaliam que a moeda norte-americana deve voltar a enfrentar esse suporte e pode assentar-se abaixo dele no curto prazo, trazendo alívio adicional à inflação, mas a expectativa é que, mesmo assim, esse movimento não deve se sustentar no médio prazo.

O dólar perdeu 0,77 por cento, a 2,2030 reais na venda, acumulando baixa de 3,48 por cento só nas últimas três sessões e de 6,55 por cento no ano, anulando boa parte da alta de 15 por cento vista em 2013 todo.

Na mínima do dia, a moeda norte-americana bateu 2,1937 reais na venda. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro nesta sessão ficou em torno de 1,8 bilhão de dólares.

"A queda do dólar abaixo dos patamares atuais tem seu preço. Produtos importados voltam a ganhar atratividade e a competitividade dos produtos brasileiros perde força, piorando a balança e deixando a indústria com preços menos atrativos", escreveram analistas da Lerosa Investimentos em relatório.

Alguns analistas acreditam que as cotações mais baixas poderiam desagradar o governo, pois apesar de ajudarem no combate à inflação, prejudicam as exportações.

"Já não é de hoje que o dólar está mostrando que tem espaço para cair. Hoje, a queda do dólar no exterior animou o mercado a buscar novos patamares mais para baixo", disse o analista de uma corretora nacional.

A divisa dos EUA tem se firmado recentemente em trajetória de queda em relação ao real, diante de expectativas de ingresso de recursos externos na economia brasileira atrás de maiores rendimentos, do humor global mais positivo sobre mercados emergentes e da constante intervenção do BC no câmbio.   Continuação...