April 9, 2014 / 9:18 PM / in 3 years

CSN terá que reduzir participação na Usiminas, decide Cade

4 Min, DE LEITURA

Por Luciana Otoni e Alberto Jr.

BRASÍLIA/SÃO PAULO, 9 Abr (Reuters) - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) decidiu de forma unânime nesta quarta-feira que a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) tem que reduzir sua participação acionária na rival Usiminas, adquirida em 2011.

O relator do caso no órgão antitruste, Eduardo Pontual Ribeiro, porém, não quis informar a jornalistas em quanto a participação terá que ser reduzida, afirmando que a quantidade e o prazo para a CSN se desfazer das ações da Usiminas são "confidenciais".

Representantes da CSN não puderam comentar o assunto de imediato. A Usiminas informou que não vai se pronunciar.

A CSN comprou ações da Usiminas em 2011 em várias operações no mercado, durante processo de alteração no grupo de controle da rival, concluído com a entrada da ítalo-argentina Techint e saída de Votorantim e Camargo Corrêa.

Em abril de 2012, o Cade decidiu por medida cautelar impedir que a CSN tivesse um assento no Conselho de Administração da Usiminas e de aumentar sua participação na rival.

Até julho de 2013, a CSN era a maior acionista individual da Usiminas, sendo detentora de 14,13 por cento das ações ordinárias e 20,71 por cento das preferenciais, num total de 17,43 por cento do capital total, segundo dados do Cade, citados pelo relator.

Desde então, a fatia da CSN em ações ordinárias da Usiminas caiu a 11,66 por cento, enquanto o percentual em papéis preferenciais recuou a 20,14 por cento, representando 15,91 por cento do capital total, de acordo com números da BM&FBovespa sobre a posição acionária de 17 de fevereiro.

Segundo a cotação de fechamento das ações nesta quarta-feira, essa participação da CSN na Usiminas vale cerca de 1,39 bilhão de reais.

Enquanto a participação não for reduzida, a CSN segue impedida pelo Cade de indicar membros ao Conselho de Administração e a outros órgãos da Usiminas.

O Cade permitiu, porém, o aluguel de ações, desde que realizado com intermédio da bolsa, de forma pulverizada, para "afastar a possibilidade de direcionamento a um ou mais acionistas determinados".

Segundo o órgão de defesa da concorrência, os termos da decisão foram acertados em comum acordo com a CSN, em um Termo de Compromisso de Desempenho (TCD).

Poder De Mercado

Durante a análise do processo, o relator enfatizou por diversas vezes que a participação da CSN na Usiminas configurava aumento de poder de mercado pela CSN, "com claro prejuízo ao poder de concorrência" e num segmento altamente concentrado com poucas empresas.

A Usiminas é a maior produtora de aços planos do Brasil, usados em grande parte pelas indústrias automotiva e de máquinas e equipamentos. Além da CSN, a Usiminas disputa o mercado brasileiro com a ArcelorMittal.

"O interesse financeiro da CSN na Usiminas pode gerar impactos relevantes para o mercado brasileiro de aços planos", disse o relator durante a leitura de seu voto no julgamento. "Com essa operação, CSN e Usiminas terão mais de três quartos do mercado relevante e isso gera graves questões concorrenciais", acrescentou.

O presidente do Cade, Vinicius Marques de Carvalho, afirmou que "evidentemente é uma operação com elevado risco concorrencial que qualquer autoridade do mundo ficaria razoavelmente preocupada, mas há questões que são confidenciais", ao comentar sobre a não divulgação do percentual que a CSN terá que se desfazer da rival.

Além de impor a redução da fatia na Usiminas, o Cade multou a CSN em 687 mil reais por demora na divulgação das operações de compra de ações da Usiminas.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below