Vendas da nova safra de café avançam pouco no Brasil com incerteza sobre colheita

quinta-feira, 10 de abril de 2014 16:24 BRT
 

Por Roberto Samora

SÃO PAULO, 10 Abr (Reuters) - As vendas da nova safra de café (2014/15) do Brasil avançaram pouco no mercado físico desde fevereiro, atingindo ao final de março no máximo 17 por cento da produção esperada, em meio a incertezas sobre as perdas decorrentes do tempo quente e seco nos primeiros meses do ano, segundo avaliação da consultoria Safras & Mercado.

"Desde fevereiro as vendas de café novo não avançaram muito", disse o analista associado da Safras, Gil Barabach, explicando que as dúvidas sobre o tamanho da safra que começa a ser colhida em mais algumas semanas deixam os agentes retraídos nos negócios.

O percentual estimado é com base em uma safra hipotética de 49 milhões de sacas de 60 kg, o que indica que cerca de 9 milhões de sacas já teriam sido negociadas, segundo Barabach.

O índice de comercialização da safra nova, segundo o analista, está dentro da média prevista para esta época.

A propósito da colheita deste ano, o analista disse que os trabalhos ainda são muito incipientes, mesmo no café da variedade robusta, que tradicionalmente começa a colheita antes do arábica. Os volumes colhidos ainda não são significativos o suficiente para se determinar um percentual, acrescentou.

"Tem um pouco mais de café conilon (robusta). No arábica, há uma expectativa de que depois do feriado de Páscoa (20 de abril) tenha colheita. No último terço de abril, começam a retirar café do pé", afirmou o analista.

Ele observou que este ano as elevadas temperaturas aceleraram o ciclo do café, o que deve antecipar a colheita em algumas semanas em relação ao período normal.

O analista disse ter informação de posições fechadas para entrega de café vendido da safra nova, e ainda assim de robusta, somente a partir do final de abril e início de maio.   Continuação...