G20 monitora riscos por Ucrânia e pressiona EUA por reformas no FMI

sexta-feira, 11 de abril de 2014 15:12 BRT
 

WASHINGTON, 11 Abr (Reuters) - As principais economias do mundo estão monitorando a situação econômica na Ucrânia por quaisquer riscos à estabilidade econômica e financeira, disseram ministros de Finanças e membros de bancos centrais do G20 nesta sexta-feira por meio de comunicado final.

As autoridades do G20 também mantiveram a pressão sobre os Estados Unidos, que têm adiado reformas no Fundo Monetário Internacional (FMI) definidas em 2010 e que irão dobrar os recursos da entidade e dar mais voz a mercados emergentes. O G20 disse estar "profundamente decepcionado" com os atrasos e que trabalhará com o FMI em opções sobre como avançar com as reformas se os EUA não agirem até o final do ano.

Enquanto o comunicado final foi menos específico sobre alguns pontos importantes do que aquele que o G20 divulgou em fevereiro, incluindo efeitos de políticas monetárias em países avançadas, uma fonte do G20 minimizou essas mudanças, dizendo que são de estilo e não substanciais.

Sobre a crise na Ucrânia, o G20 disse que o FMI e o Banco Mundial continuam melhor posicionados para ajudar os países a lidar com os desafios econômicos "através de aconselhamento de política e de financiamento".

"Estamos monitorando a situação econômica na Ucrânia, atentos a qualquer risco à estabilidade econômica e financeira e apoiamos a atuação do FMI na Ucrânia, já que as autoridades buscam fazer reformas significativas", informou o G20 durante as reuniões de primavera do FMI e Banco Mundial, em Washington.

"A situação na Ucrânia destaca o importante papel do FMI como a primeira resposta do mundo a crises financeiras."

A economia ucraniana entrou em caos depois que manifestações populares em Kiev derrubaram o presidente pró-Rússia Viktor Yanukovich em fevereiro, e a Rússia anexou a Crimeia, provocando o pior impasse entre Moscou e o Ocidente desde a Guerra Fria.

A Rússia, membro do G20, não foi especificamente mencionada no comunicado.

REFORMAS   Continuação...