Pasadena dá lucro à Petrobras, mas não foi bom negócio, diz Graça Foster

terça-feira, 15 de abril de 2014 19:13 BRT
 

15 Abr (Reuters) - A refinaria de Pasadena, no Texas, envolvida numa polêmica relacionada aos valores pagos pela Petrobras, deu lucro no primeiro trimestre deste ano, mas não foi um bom negócio, disse a presidente da estatal nesta terça-feira.

Além de desembolsar mais de 1 bilhão de dólares na compra de Pasadena, a Petrobras ainda teve de fazer grandes investimentos em equipamentos e manutenção na refinaria, disse a presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, em audiência no Senado.

"Assim, o negócio originalmente concebido transformou-se num empreendimento de baixo retorno sobre capital investido", disse Graça Foster, como gosta de ser chamada, aos senadores.

"Definitivamente não foi um bom negócio", disse a executiva.

Graça participou de audiência no Senado, em um momento em que a estatal está sob fogo cruzado e a oposição tenta instaurar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a aquisição da refinaria norte-americana.

A executiva disse que o Conselho de Administração da estatal --em 2006 presidido por Dilma Rousseff-- aprovou inicialmente a compra de 50 por cento da refinaria baseado em resumo executivo e avaliação da diretoria executiva, sem saber que havia a eventual obrigatoriedade de compra dos 50 por cento restantes, de acordo com a cláusula de opção de venda do contrato.

Graça repetiu afirmação recente da presidente Dilma Rousseff, que disse ter aprovado a compra sem ter os dados completos, reacendendo a polêmica em relação ao negócio.

Críticos dizem que a Petrobras pagou à Astra Oil muito mais do que os 42,5 milhões de dólares que a companhia belga havia pago por Pasadena em 2005, um ano antes de metade da unidade ser vendida à estatal brasileira por 360 milhões de dólares.

A presidente da Petrobras, no entanto, contestou os números. Ela disse que a Astra, na verdade, pagou 360 milhões de dólares pela refinaria, 8,5 vezes mais do que os críticos alegam.   Continuação...