Uso das térmicas leva Aneel a aprovar reajustes tarifários de dois dígitos

terça-feira, 15 de abril de 2014 21:21 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - O maior custo da energia gerado pelo acionamento das usinas termelétricas respondeu por 7 a 8 pontos percentuais dos reajustes tarifários aprovados até agora no ano pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), disse o diretor-geral da agência, Romeu Rufino, nesta terça-feira.

Nesta terça-feira, Aneel aprovou aumentos médios de 15,35 por cento para consumidores da Coelba (BA), 16,77 por cento para Coelce (CE), 11,85 por cento para Energisa Sergipe (SE) e 12,75 por cento para Cosern (RN). Se não fosse pelo acionamento das térmicas, os reajustes autorizados pela Aneel seriam inferiores a 10 por cento.

As usinas térmicas permaneceram acionadas praticamente durante todo o ano passado para garantir o abastecimento do país, diante do baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas. Como o custo da energia produzida pelas térmicas é mais alto do que o produzido por hidrelétricas, as distribuidoras estão adquirindo energia a um preço mais alto.

Rufino explicou nessa terça-feira, a jornalistas, que as distribuidoras podem decidir repassar aos consumidores o reajuste que quiserem até os tetos aprovados pela Aneel.

A Aneel já tinha aprovado aumento médio de 14,24 por cento na tarifa para consumidores residenciais da Cemig, em Minas Gerais, e de 17,2 por cento para clientes atendidos pela CPFL Paulista (SP).