Tombini defende que BC tem atuado de forma robusta, clássica e técnica

quarta-feira, 16 de abril de 2014 13:44 BRT
 

BRASÍLIA, 16 Abr (Reuters) - O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, defendeu nesta quarta-feira que a autoridade monetária tem atuado de forma robusta, clássica e técnica, dizendo que parte relevante da alta dos juros ainda não atingiu os preços e espera pelo recuo da inflação mensal.

"O Banco Central vem trabalhando para que o choque (de preços) se circunscreva aos alimentos. Veremos a inflação mensal recuando", disse Tombini em apresentação sobre perspectivas da economia brasileira em 2014, durante reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, com a presença da presidente Dilma Rousseff, ministros e empresários.

O presidente do BC repetiu ainda que boa parte do aperto nos juros ainda será sentido nos preços. "A política (monetária) opera com defasagens e efeitos cumulativos, e parte relevante da política monetária não tocou a inflação", afirmou.

A inflação alta e resistente é um dos principais problemas que o governo enfrenta neste momento, afetando a popularidade da presidente Dilma e se colocando no centro do debate deste ano eleitoral.

O IPCA tem ficado acima de 6 por cento, próximo do teto da meta do governo, de 4,5 por cento, com margem de dois pontos percentuais para mais ou menos.

Para combater a escalada dos preços, o BC deu início a um ciclo de alta dos juros em abril passado, retirando a Selic da mínima histórica de 7,25 por cento e elevando-a para 11 por cento atualmente.

Na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), o BC sinalizou que pode encerrar o ciclo de aperto em maio.

O presidente do BC também disse que o déficit em conta corrente do balanço de pagamentos, apontado como um dos fatores de vulnerabilidade do Brasil, deve se estabilizar.

Tombini voltou a dizer que a recuperação da economia norte-americana é a boa notícia para o Brasil, mas afirmou que a recuperação global se dá de forma gradual, não heterogênea e com riscos. Ele repetiu ainda que a volatilidade vista nos mercados recentemente, por conta do ajuste das condições monetárias no mundo, não pode ser confundida com vulnerabilidade.

(Reportagem de Luciana Otoni)

 
O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, participa de uma audiência na Câmara dos Deputados, em Brasília. Tombini defendeu nesta quarta-feira que a autoridade monetária tem atuado de forma robusta, clássica e técnica, dizendo que parte relevante da alta dos juros ainda não atingiu os preços e espera pelo recuo da inflação mensal. 22/11/2012 REUTERS/Ueslei Marcelino