China faz Abiove reduzir estimativa para exportação de soja do Brasil

terça-feira, 22 de abril de 2014 17:25 BRT
 

Por Gustavo Bonato

SÃO PAULO, 22 Abr (Reuters) - O Brasil deverá exportar em 2014 um volume de soja menor que o anteriormente estimado, disse nesta terça-feira a associação que reúne as grandes empresas do setor, refletindo uma demanda menos aquecida da China, principal importador global da commodity.

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) disse que os embarques devem ficar em 43 milhões de toneladas, ante 44 milhões de toneladas da estimativa feita em março.

"Isso reflete um pouco a opinião das empresas (associadas) sobre o que está sendo embarcado e os negócios que estão sendo feitos", disse à Reuters o secretário-geral da associação, Fábio Trigueirinho. "A China pode importar um pouquinho menos do que o pessoal estimava inicialmente."

Fontes do mercado disseram que a China deu calote em pelo menos 500 mil toneladas de soja da América do Sul nas última semanas.

Enquanto isso, um executivo da Shandong Sunrise, maior grupo comprador de soja da China, disse em entrevista à Reuters na semana passada que importadores do país poderiam cancelar a compra de mais 1,2 milhão de toneladas dos EUA e da América do Sul.

Empresas chinesas têm encontrado dificuldade em obter cartas de crédito para honrar os pagamentos aos fornecedores de soja e sofrem com margens de lucro muito apertadas na atividade de esmagamento.

A Abiove não descarta revisar, ao longo do ano, as projeções de exportações de soja do Brasil.

"Pequenos ajustes são normais, até porque trabalhamos sempre com estimativas", disse Trigueirinho.   Continuação...

 
Produtor inspeciona sua lavoura de soja que está sendo alvo de lagartas, em Barreiras, na Bahia, em fevereiro. 06/02/2014 REUTERS/Ueslei Marcelino