CCEE fecha empréstimo com 10 bancos e afirma que não há risco para setor

sexta-feira, 25 de abril de 2014 13:50 BRT
 

SÃO PAULO, 25 Abr (Reuters) - A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) assinou nesta sexta-feira com um sindicato de 10 bancos contrato de empréstimo para ajudar as distribuidoras de energia, que estão tendo fortes gastos relacionados a energia mais cara no curto prazo.

O financiamento de 11,2 bilhões de reais tem custo de CDI mais 1,9 por cento ao ano, e será quitado até outubro de 2017.

Consumidores pagarão o empréstimo a partir dos reajustes tarifários de 2015, por meio de um encargo na conta de energia. Esses valores que serão pagos vão sendo acumulados em uma conta, chamada Conta ACR, a partir de fevereiro do próximo ano, quando ocorre o primeiro reajuste tarifário de distribuidora.

Em novembro de 2015, os bancos começam a receber o empréstimo por meio de parcelas pagas mensalmente.

Os bancos públicos Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal arcarão com a maior fatia no empréstimo, de 2,45 bilhões de reais cada.

Bradesco e Itaú Unibanco entram com 2 bilhões de reais cada, Santander com 1 bilhão de reais, Citibank com 500 milhões de reais, BTG Pactual com 400 milhões de reais, Bank of America Merrill Lynch com 200 milhões de reais, J.P. Morgan com 100 milhões e Credit Suisse com 100 milhões.

A garantia do empréstimo será dada pelos recursos recolhidos por meio de encargos na conta de luz, via Conta de Desenvolvimento Energético.

Se faltar recursos para pagamento do empréstimo, poderá haver aumento do encargo a ser cobrado dos consumidores via distribuidoras. Assim, se uma distribuidora ficar inadimplente, por exemplo, os recursos faltantes serão redistribuídos para serem pagos entre todos os consumidores.

"Os associados da CCEE não serão responsáveis pela falta de pagamento", disse o presidente do Conselho da CCEE, Luiz Eduardo Barata.   Continuação...